12/12/2020

Mesmo em ano de pandemia, cursos de informática abrangeram mais de 200 jovens na Funase

 

Ao longo do ano, 227 adolescentes e jovens foram inscritos em cursos de informática básica dentro das unidades da Fundação de Atendimento Socioeducativo (Funase), instituição vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Social, Criança e Juventude (SDSCJ). As aulas, adaptadas às medidas de prevenção ao novo coronavírus, possibilitaram o que para vários socioeducandos representou o primeiro contato com um computador e a oportunidade de aprender usos para fins pessoais e de trabalho. Nesta semana, 12 alunos estão participando desse curso no Centro de Atendimento Socioeducativo (Case) Pirapama, situado no Cabo de Santo Agostinho.

 

No laboratório, são abordados programas e funcionalidades como Word, Excel, PowerPoint, compactadores/descompactadores de arquivos e mídias móveis de armazenamento. As aulas acontecem duas vezes por semana para duas turmas, cada uma com seis alunos. A carga horária é de 20 horas. Se concluírem, ao menos, 75% do conteúdo com bom aproveitamento, os socioeducandos receberão certificados emitidos pelo Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), parceiro da Funase na oferta do curso profissionalizante. Nas turmas formadas em 2020, as aulas de informática foram ministradas por agentes socioeducativos que atuam como instrutores. No Case Pirapama, esse trabalho está sob responsabilidade do agente socioeducativo Lucas Rafael Venâncio.

 

Segundo o coordenador técnico do Case Pirapama, Valdir Peixoto, a ideia da ação surgiu a partir das demandas dos próprios adolescentes. “Eles tinham o interesse de participar de atividades profissionalizantes. Então, a proposta é inicialmente prepará-los para programas de seleção, como Jovem Aprendiz e estágio, em que esses conhecimentos de informática são imprescindíveis. Também temos a intenção de que eles sigam se capacitando e que participem dos níveis intermediário e avançado do curso”, diz.

 

A oferta de cursos de informática para adolescentes e jovens em atendimento pela Funase é coordenada pelo Eixo Profissionalização, Esporte, Cultura e Lazer da instituição. De acordo com o gestor da área, Normando de Albuquerque, a prospecção de uma equipe de agentes socioeducativos capacitados para atuar como instrutores desses conteúdos, feita anteriormente, possibilitou que as atividades pudessem ter continuidade mesmo em um ano atípico para a educação profissional.

 

“Temos algumas experiências em que os adolescentes saem das unidades para fazer cursos em instituições parceiras e outras em que instrutores dessas instituições entram nas unidades da Funase para ministrar os cursos. Por conta das restrições decorrentes da pandemia, esse movimento foi bastante afetado por alguns meses, o que não aconteceu com os cursos de informática, que têm como característica essa oferta feita dentro das próprias unidades por agentes socioeducativos que já estão lá”, explica.


Imprensa Funase

Nenhum comentário:

Postar um comentário