Podcast Tais Paranhos

quinta-feira, setembro 24, 2015

Moda Recife 2015

Este ano, o Moda Recife  acontece nos dias 22, 23 e 24 de outubro, das 17h às 22h, no Paço Alfândega, Bairro do Recife. Em sua 8ª edição, o evento terá 13 desfiles com marcas que apresentarão 20 looks das coleções verão e alto verão 2015/2016.
Entre as grifes e estilistas confirmados na passarela estão Jan Souza, Fernando Perdigão, Chico Marinho, João Batista, Frederico F, Cris Moura, Flávia Azevedo (Club Noir), Sindel Medeiros (Joana Julião), Zattry, Eliane Mello (Anunciada), Iska Viva, Renascença Agreste e Veneza. Umas das novidades do evento é a feira Pop Up Store que acontece de 23 a 25 de outubro, das 12h às 22h e será um espaço onde os estilistas e marcas poderão comercializar seus produtos em estandes individuais e com descontos exclusivos.
No espaço reservado para o Moda Recife, serão 1.500 m² com área que acomoda 300 pessoas sentadas para assistir aos desfiles. A estrutura  de passarela e lounges funcionará no 1º andar do Shopping Paço Alfândega. Entre as empresas que montarão lounges e assinarão a beleza do evento estão a Maketal, Indice Tokyo e Aspa Cosméticos. A Edição 2015 do MR tem como patrocinadores o Shopping Paço Alfândega, Moving Show, Maketel, Índice Tokyo e Aspa Cosméticos e conta com  apoio institucional da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (ABIT).

SERVIÇO:
MODA RECIFE 2015
QUANDO: 22 a 24 DE OUTUBRO,
DESFILES: DAS 17H ÀS 22H
LOCAL: SHOPPING PAÇO ALFANDEGA 
(Rua da Alfandega, 35, Bairro do Recife – Recife/PE)
QUANTO: ENTRADA FRANCA
INFORMAÇÕES: 81 | 3053.9858

Feira de Saberes e Sabores

Uma das praias mais badaladas de Pernambuco, Porto de Galinhas costuma receber um bom número de banhistas em qualquer época do ano. No próximo dia 25 de setembro, os moradores e frequentadores do balneário terão um atrativo a mais para vislumbrar. É que será realizada na localidade a Feira de Saberes e Sabores. A ideia é incentivar o consumo entre moradores e turistas e fomentar a comercialização de produtos mais saudáveis, produzidos e beneficiados de forma agroecológica por famílias agricultoras de Ipojuca e mais cinco municípios da Zona da Mata de Pernambuco.
Outro objetivo é dinamizar a produção de agricultores e agricultoras, especialmente mulheres e jovens, possibilitando geração de renda para as famílias envolvidas e produtos de qualidade para a população local. Além da comercialização, também estão previstas oficinas sobre agricultura familiar, alimentação saudável, dança circular e uma rodada de negócios, envolvendo gestores públicos, empresários do município e agricultores e agricultoras.
A lista de produtos é bem ampla. Ao todo, serão 40 barracas, onde estarão expostos produtos de mais de 50 famílias, sendo 20 apenas de Ipojuca e as 30 divididas em Sirinhaém, Tamandaré, Ribeirão, Rio Formoso e Palmares. Serão vendidos licores, polpas de frutas, doces, pasteis, hambúrgueres vegetarianos, mel, pães de macaxeira, abóbora, feijão verde, ovos caipira, macaxeira crua e pré-cozida e uma grande diversidade de frutas e hortaliças in natura, além de dos tradicionais beju, tapioca, bolo de goma e do caldo de cana.
A Feira de Saberes e Sabores faz parte do projeto Trabalho, Renda e Sustentabilidade no Campo, executado pelo Centro Sabiá com patrocínio da Petrobras, através de edital, e apoio da Prefeitura, através da Secretaria Especial de Agricultura e da Secretaria de Turismo e Cultura de Ipojuca, além do Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA), órgão vinculado ao Governo do Estado.

Serviço
FEIRA DE SABERES E SABORES EM PORTO DE GALINHAS / IPOJUCA-PE
Data: 25.09.15 
Hora: a partir das 8h
Local: Rua Beijupirá – próximo a agência do banco do Brasil e ao restaurante Fiteiro

Secretaria de Imprensa de Ipojuca

LBV participa de reunião histórica na ONU

Entre 25 e 27 de setembro, mais de 160 líderes mundiais estarão presentes na Cúpula das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável, na sede da ONU em Nova York, para adotar oficialmente novas metas globais, acordadas pelos 193 Estados-membros do organismo internacional. A Legião da Boa Vontade (LBV) foi convidada a integrar um grupo seleto de organizações da sociedade civil que participará da Cúpula, após fazer parte de um amplo processo que envolveu milhares de organizações.

Segundo as Nações Unidas, esta agenda servirá como plataforma de ação da comunidade internacional para o fim da pobreza extrema, o combate à desigualdade e injustiça e a correção das mudanças climáticas.

Concluída em 2 de agosto, a nova agenda para os próximos 15 anos é intitulada “Transformando Nosso Mundo: a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável”, contendo os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e 169 metas correspondentes.


LBV Em oportunidade histórica, a Legião da Boa Vontade foi uma das organizações selecionadas para participar da Cúpula, entre milhares de outras da sociedade civil de todo o mundo. A Instituição foi reconhecida pela sua relevância internacional no tema do combate à pobreza e pelo seu envolvimento e importantes contribuições nos processos preparatórios para a formulação da agenda de desenvolvimento pós-2015.


A LBV participará de um dos seis painéis temáticos que integram a programação oficial sobre combate à pobreza. Na oportunidade, apresentará mensagem contida na revista BOA VONTADE Desenvolvimento Sustentável 2015, publicada em espanhol, francês, inglês e português. No editorial “Altruísmo — uma revolução”, o diretor-presidente da LBV, José de Paiva Netto, declarou: “Quando mais o ameaça a violência, o desenvolvimento de um povo não pode prescindir do espírito filantrópico, portanto, humanitário, aliado ao de íntegra justiça e competente gestão” (leia a publicação na íntegra em: boavontade.com/revista-digital).


LBV e ONU
A Legião da Boa Vontade é uma organização da sociedade civil com status consultivo geral no Conselho Econômico e Social (Ecosoc) das Nações Unidas, desde 1999, e associada ao Departamento de Informação Pública (DPI) da ONU, desde 1994. Essa condição permite à LBV participar e contribuir com os debates da ONU sobre importantes temas. Desse modo, a Instituição tem fraternalmente apresentado recomendações quanto à implementação de políticas públicas e ações humanitárias internacionais.

Com informações da jornalista Vania Besse

Show do Bem neste domingo

O Show do Bem dá o pontapé inicial na arrecadação de donativos para o Natal das famílias e crianças carentes. Neste domingo (27), durante o show que será realizado no Marco Zero, área central do Recife, um stand estará montado para receber doações, como roupas, agasalhos, lençóis, produtos de higiene pessoal e limpeza e brinquedos, que serão distribuídos para as comunidades carentes da Região Metropolitana do Recife, em dezembro.
A animação da festa ficará por conta da cantora e compositora Adriana B (foto), idealizadora do projeto, que receberá no palco a cantora Nádia Maia e o forrozeiro Salatiel D'Camarão. O grupo de percussão pernambucano Batuqueiros do Silêncio, formado por deficientes auditivos, encerrará o evento com uma grande ciranda.
Além do show, o público poderá conferir uma exposição especial das motos “Harley Davidson”, com venda de produtos deste segmento. Toda a renda da exposição será revertida em doação, uma parceria do Show do Bem com os motociclistas do grupo "In Omertà Recife”. Na Avenida Rio Branco, acontecerá a Feirinha do Bem, com as ONGs: Sorrisos Geram Sorrisos; Doe Amor; Casa de Apoio Acolher Com Afeto; Donem; Salve o Sertão e a Fundação Fé e Alegria, que estarão expondo e vendendo os seus produtos no local. 
Para Adriana B, essa é a hora de fortalecer a rede de colaboração solidária. “Aumentamos o espaço da Feirinha do Bem para esta campanha de arrecadação do Natal. Todas as pessoas podem participar até dezembro, levando mantimentos e roupas em bom estado que não utilizem mais. É um momento de doar e se doar”, revela.
Serviço:
O quê: Show do Bem
Quando: Domingo (27)
Participações Especiais: Nádia Maia, Salatiel D'Camarão e o grupo de percussão pernambucano Batuqueiros do Silêncio.
Horário: 9h às 12h
Local: Marco Zero

Feirinha do Bem 
1- Sorrisos Geram Sorrisos
2- ONG Doe Amor
3- Casa de Apoio Acolher Com Afeto
4- Donem
5- 
ONG Salve o Sertão
6- Fundação Fé e Alegria
Quando: Domingo (27)
Horário: 9h às 18h
Local: Av. Rio Branco

Feira de Turismo em São Paulo

Realizada anualmente, a Feira da Associação Brasileira das Agências de Viagem (ABAV) é um dos principais eventos do calendário do trade turístico de Alagoas para o segundo semestre. Esse ano, a feira será realizada de 24 a 26 de setembro, no Pavilhão de Exposições do Anhembi, em São Paulo, e conta com a presença dos maiores players da atividade turística das Américas.
O evento é um momento de estreitar relacionamentos e definir as estratégias para a temporada 2015/2016. Já estão agendadas reuniões com as principais operadoras que trabalham o mercado alagoano, como CVC, Azul, Visual e Flytour.
A Associação Brasileira da Indústria de Hotéis de Alagoas (ABIH-AL) marca presença, através do Presidente, Maurinho Vasconcelos, e da participação de 27 hotéis. O Maceió Convention & Visitors Bureau também estará presente representando o segmento de eventos, além da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo (Sedetur) e Secretaria Municipal de Promoção do Turismo (Semptur).
            E este ano, em comemoração aos 200 anos de Maceió, a imagem da cidade ganhará destaque no estande disponibilizado pelo Ministério do Turismo, a região de Costa dos Corais, Lagoas e Mares do Sul, Caminhos do São Francisco e Quilombos estarão representados em quatro balcões de atendimento. O estande ainda contará com um totem sobre o Experimente Maceió, projeto da Semptur.
“Azul da Cor do Mar” realiza 2ª edição
Sucesso no ano passado, a campanha “Azul da Cor do Mar”, uma parceria da Azul Viagens com a Luck Receptivo, ABIH-AL e apoio institucional da Sedetur e Semptur, está de volta com muito mais força. Dia 25 de setembro, durante a ABAV, um coquetel marca o lançamento da ação que premia com um carro o agente que mais vender o destino Alagoas de 1 de outubro a 31 de março.
Durante reunião realizada no início de setembro, o analista de negócios de Alagoas e Bahia, Humberto Capelin, contou que a premiação vai acontecer em evento previsto para 2016, mas as vendas já começam em outubro.
De acordo com a Gerente Comercial da Azul Viagens, Izabella Teobaldo, a expectativa de vendas para esse ano é ainda maior que a de 2014. “A campanha do ano passado foi feita muito rapidamente. Esse ano, nos reunimos com antecedência, por isso, esperamos que o resultado seja ainda mais expressivo”, explica.
Em 2014, a ação contou com a participação de 800 agentes de viagem de todo Brasil e esse ano, a meta é estimular os cerca de 1,8 mil agentes da companhia.

Protesto de médicos residentes

Os médicos residentes que atuam nos hospitais estaduais de Pernambuco paralisam suas atividades por 24h nesta quinta-feira (24) no Recife-- só foram mantidos os serviços essenciais de oncologia, urgência e emergência. Eles também realizaram um protesto na área central da cidade nesta manhã para pedir melhores condições de trabalho nas unidades médicas. Os manifestantes explicam que faltam materiais básicos e medicamentos nos hospitais.
O ato começou por volta das 10h em frente ao Memorial de Medicina de Pernambuco, localizado no bairro do Derby, área central do Recife, na manhã desta quinta-feira (24). Depois, seguiu em passeata pela Avenida Agamenon Magalhães até o Hospital da Restauração. Os residentes deram um abraço coletivo no hospital para representar a solidariedade dos médicos em relação a saúde no Brasil. Por fim, irão até o Hemope para doação de sangue. “Vamos dar mais uma vez o sangue para o nosso povo”, explicou o residente Marcos Villander, que organiza o protesto.
Ao fim da manifestação, os residentes não voltaram aos hospitais. Villander explicou que os atendimentos não serão paralisados, porque os médicos profissionais continuam trabalhando. No entanto, é possível que haja uma redução no número de pacientes atendidos. "Não deveria diminuir, mas é provável; porque nós ajudamos muito", acredita. Nos hospitais, os residentes acompanham os médicos profissionais para concluírem a formação nas especialidades escolhidas.
Segundo a organização da manifestação, cerca de 300 residentes participam do ato. Eles atuam nos seguintes hospitas estaduais: Barão de Lucena, Otávio de Freitas, Getúlio Vargas, Miguel Arraes, Oswaldo Cruz, Cisam, Procape, Imip, Português, Fundação Altino Ventura, Insitituo de Olhos do Recife. "Temos residentes em quase todos os hospitais estaduais", conta Villander.

O ato integra o Movimento Nacional pela Valorização Médica e também defende melhores condições no quadro estadual. De acordo com Villander, a categoria defende sobretudo a saúde. “O estopim para o movimento foi o corte anunciado pelo Governo Federal. Estão demitindo médicos, UPAS estão sendo fechadas e leitos dos hospitais Miguel Arraes, Getúlio Vargas e Barão de Lucena foram reduzidos”, afirmou.

Villander ainda reclamou da situação dos residentes no cenário estadual. “Faltam equipamentos básicos de proteção, estrutura física para o atendimento à população e ainda esses dez meses de carência do INSS. Quer dizer, um residente não pode nem ficar doente no primeiro ano que não receberá nada. Cadê o direito humano?”, completou.
Portal G1

Projeto Muda Camocim

O Projeto Muda Camocim, desenvolvido pelo Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA), no município de Camocim de São Félix, foi classificado para a segunda fase do concurso PE Inova, na categoria PE em Ação. Ele ficou entre os 20 melhores de todos os projetos inscritos. O resultado foi divulgado na segunda-feira (14/09). 
O concurso, promovido pela Secretaria de Administração, foi dividido em duas categorias: PE em Ação e InovAção. A primeira vai premiar ações de sucesso já implementadas ou em fase de desenvolvimento. A segunda contempla ideias inovadoras a serem implementadas. 
Os vencedores de cada categoria receberão R$ 10 mil em dinheiro e um curso APG Middle – Programa de Gestão Avançada de Média Administração da Amana Key. Já os segundos colocados receberão R$ 3 mil, além de um curso de Gestão de Projetos. Os terceiros lugares receberão R$ 2 mil, mais um curso de Gestão de Projetos. O resultado final será divulgado em dezembro de 2015. 
PROJETO – O Projeto Muda Camocim visa à inclusão social dos agricultores, por meio da prestação dos serviços de Assistência Técnica e Extensão Rural (ATER), viabilizando a elevação da qualidade dos produtos e a venda a preço justo. Participam 213 produtores de cinco municípios - Bonito, Camocim, Sairé, São Joaquim do Monte e Bezerros. 
Para se ter ideia do sucesso do projeto, em 2015, já foram fechados contratos da ordem de R$ 3 milhões, para venda de 32 produtos - couve flor, couve, repolho, coentro, alface, cebolinha, acelga, tomate, alface, coentro, pimentão, abobrinha, berinjela, maracujá, goiaba, laranja cravo, laranja, pepino, jerimum, banana comprida, batata doce, inhame, cará, macaxeira, entre outros. Em 2014, a comercialização somou R$ 1,2 milhão de reais. Em 2013, esse número foi de apenas R$ 300mil. 
Por meio dos projetos, os produtos começaram a ser comercializados para programas e entidades governamentais. Tais como o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), prefeituras, Conab, Sesc, Ceasa, PNAE,  entre outros. Outro destaque é o convênio com a Agefepe – Agência de Fomento do Estado de Pernambuco, que marcou o primeiro financiamento do órgão a um projeto da agricultura familiar em Pernambuco. Também merece atenção a iniciativa de plantar repolho, acelga e couve flor sem agrotóxico, em Camocim, que é conhecida pela larga utilização de defensivos agrícolas. 
Criado em 2013, a iniciativa veio das demandas dos agricultores da  Cooperativa de Desenvolvimento da Agricultura Familiar de Pernambuco (COOPEAFA), criada em 2011, que vendiam os produtos a preço abaixo dos mercados a atravessadores, que muitas vezes atrasavam ou nem efetuavam o pagamento. “A baixa qualidade dos produtos era um impedimento para a prospecção de novos mercados”, explica o extensionista do IPA, Leirson Vasconcelos. 
Para reverter a situação, o IPA promoveu oficinas e visitas técnicas a outras propriedades, ao mesmo tempo em que orientava a elaboração de projetos para venda dos produtos a programas e instituições governamentais. Entre os  anos de 2013 e 2014, o IPA realizou 10 oficinas, sobre os mais diversos temas, além de 10 excursões técnicas.  
Instituto de Agronomia de Pernambuco

Aprovado Estatuto da Família

BRASÍLIA - Após cinco horas de debate, polêmica e bate-boca a comissão especial da Câmara aprovou o Estatuto da Família, que conceitua família a partir da união entre homem e mulher, excluindo as relações homoafetivas. O placar foi de 17 votos a favor e 5 contrários. 

Parlamentares contrários a esse conceito classificaram o relatório do deputado Diego Garcia (PHS-PR), ligado a movimentos católicos, como retrógrado, intolerante e que atropela a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que reconheceu relações entre homossexuais. Os deputados que votaram a favor, quase todos ligados a setores religiosos, argumentaram que essa composição de família é o defendido pela sociedade e dizem que o STF atropelou as prerrogativas do Congresso Nacional.

O relator Diego Garcia é ligado ao Grupo Pró-Vida, da Igreja Católica, e também da Renovação Carismática. Ele levou sua esposa e a filha de três meses para o plenário da sessão. A votação do estatuto é terminativo na comissão, mas, se algum parlamentar recolher assinaturas de 51 colegas pode levar a votação ao plenário.
A deputada Erika Kokay (PT-DF), contra o texto, afirmou que o estatuto rasga a Constituição e que o dia de hoje deve ser reconhecido como o dia em que a Câmara "mergulhou nas trevas".
— Quanto mais essa comissão caminha, mas tenho convicção de que está sendo tramado um golpe no país. Temos que ter liberdade nas nossas relações. Que lógica é essa que impede a relação de um com o outro. Esse estatuto nasce morto. Será barrado no STF — disse Kokay.
O deputado Gilvado Carimbão (PROS-AL), ligado à Igreja Católica, disse ser legítimo defender a união entre homem e mulher e que não se trata de um golpe. Ele afirmou que essa foi uma de suas bandeiras na campanha eleitoral.
— Quando fui candidato fui para as portas das minhas bases. Disse que a base da família é um homem e uma mulher. Não se trata de um golpe. A sociedade é quem decidiu que família é assim. E a sociedade elege seus representantes para defender aqui seus pensamentos — disse Carimbão.
Manifestantes de movimentos homossexuais compareceram à reunião e levaram cartazes e bandeiras nas cores do arco-íris e protestaram contra o texto. Um dos cartazes dizia: "Se nasceu mulher, coloca a burca; se nasceu negro, coloca a algema; se nasceu LGBT, apedreja. Como pode tanto retrocesso na casa do povo".

O deputado Takayama (PSC-PR) protagonizou as principais cenas de bate-boca. Discutiu com os manifestantes e, antes, disse a deputada Erika Kokay que ela não nasceu de uma relação de homem com homem nem de mulher com mulher.
— A senhora não vem de dois homens nem de duas mulheres. Homem com homem não geram. Mulher com mulher não geram — disse Takayama.
O autor do projeto é o deputado Anderson Ferreira (PR-PE), que, na reunião, sentou entre o presidente da comissão, Sóstenes Cavalcante (PSD-RJ), e o relator Garcia. Ferreira coordenava a votação e convencia deputados a abrirem mão da palavra para votar logo o texto. Se começasse a ordem do dia no plenário da Casa, os trabalhos da comissão seriam suspensos. Ferreira fez campanha eleitoral em cima desse tema e espalhou outdoors como autor do Estatuto da Família no seu estado.

Somente os quatro parlamentares contrários ao texto - além de Erika Kokay assim se posicionaram Glauber Braga (PSOL-RJ), Maria do Rosário (PT-RS) e Bacelar (PTN-BA) - esgotavam seus prazos para discursar e apresentar requerimentos de adiamento. Como eram minoria, tentavam protelar ao máximo para evitar a votação.
O deputado Bacelar (PTN-BA) também foi contrário ao estatuto.

— Esse relatório é anacrônico. O conservadorismo brasileiro quer regular a vida privada das pessoas. Quer se meter dentro das quatro paredes dos indivíduos — disse Bacelar.
O deputado Flavinho (PSB-SP) defendeu o estatuto e disse que o texto protege as famílias brasileiras:
— Somos achincalhados como obscurantistas e retrógrados. Fui eleito pela minha base católica. O que não posso aceitar é a intervenção do Estado marxista nas nossas famílias e induzir nossas crianças a uma sexualidade precoce, como tentou fazer o Ministério da Educação — disse o parlamentar, se referindo a uma iniciativa do governo que, segundo ele, propõe ensinamento nas sobre sexualidade nas escolas.

Glauber Braga (PSOL-RJ) acusou uma manobra do presidente do Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), para permitir que a sessão da comissão especial durasse tanto tempo. Enquanto ocorria reunião no colegiado, Cunha ocupou a presidência no plenário, começou a ler a resposta à questão da oposição sobre rito do impeachment, mas não abriu a ordem do dia. Se o fizesse, comissão especial teria que encerrar seus trabalhos e, assim, não teria como votar o relatório.
— Mais uma do 'manobrômetro' (artifícios de manobra) do senhor presidente da Câmara — disse Braga.

Jornal O Globo


Nota do Blog:  Pelas redes sociais, resolvi mandar uma mensagem para o autor do projeto, o Deputado Federal Anderson Ferreira (PR/PE). Aguardo resposta do parlamentar ou ao menos, de alguém de sua assessoria. Estão querendo atingir famílias LGBT, mas e outros arranjos familiares? Clique na foto para ampliar.

Veja a mensagem abaixo:



quinta-feira, setembro 17, 2015

João Bosco comemora 40 anos de carreira

Desde a sua estreia, sob a benção jobiniana, num disco compacto que tinha "Agnus sei" de um lado e "Águas de março" de outro, João Bosco está completando 40 anos de carreira este ano. Como no poema de Drummond, pode-se dizer que ele atinge a marca na seguinte situação: "Quarenta anos e nenhum problema resolvido". Mas muitos problemas colocados com originalidade e maestria. De volta ao Recife na próxima semana, o artista realiza duas noites de shows intimistas no palco do Manhattan Café Theatro, na sexta (25) e sábado (26), a partir das 21h. A abertura da casa fica a cargo dos Garçons Cantores. 
João Bosco estará acompanhado somente do violão e fará uma reflexão e recorrência aos seus 40 anos de carreira “Realizar uma apresentação solo traz a liberdade de mesclar o repertório de acordo com a reação do público”, afirma ele. Ainda, segundo o cantor, os sambas da década de 70, os sucessos românticos dos anos 80/90, como “Memória da Pele”, “Desenho de Giz” e “Papel Machê” são algumas das canções que estarão no setlist, além da parceria em músicas com Aldir Blanc e releituras de grandes artistas brasileiros. 
João Bosco, filho de pai libanês, começou a tocar violão aos doze anos, incentivado pela família que era repleta de músicos. O artista estudou Engenharia Civil na Escola de Minas, em Ouro Preto, Minas Gerais, e ao mesmo tempo, dedicava-se à carreira musical, influenciado por gêneros como jazz e bossa nova e pelo tropicalismo. Em 1967, ao lado de Vinicius de Moraes, compôs algumas de suas primeiras canções, como a “Rosa dos Ventos”. Em 1970, conheceu Aldir Blanc, seu parceiro mais frequente, e compôs mais uma centena de músicas. A primeira gravação de João Bosco foi no disco de bolso do jornal O Pasquim: Agnus Sei (1972). No ano seguinte, selou contrato com a gravadora RCA, lançando o primeiro disco que levava apenas o seu nome.   
O ingresso individual custa, para cada dia, a partir de R$ 120. O Manhattan fica na Rua Francisco da Cunha, 881 - Boa Viagem, Recife - PE. Mais informações pelo fone (81) 3325 – 3372.

Fundo de Quintal: "Só Felicidade"

Fundo de Quintal, o mais premiado e respeitado grupo de samba e pagode da história do País, está circulando pelo país com a turnê “Só Felicidade”, em comemoração aos mais de 35 anos de sucesso na Música Popular Brasileira. Nesta semana, o grupo volta ao Recife com o projeto, que inclui CD/DVD, no palco do Manhattan Café Theatro, nesta sexta (18) e sábado (19), a partir das 21h. Os Garçons Cantores são os responsáveis pela abertura das noites.
No repertório, estarão grandes sucessos como “Lucidez”, “Nosso Grito”, “Frasco Pequeno”, “Fada”, “Chuá Chuá”, “O Show tem que Continuar”, “Parabéns pra Você”, “A Amizade”, “Batucada dos nossos Tantãs”, “E eu não fui Convidado”, “Boca sem Dente”, “Ô Irene”, “Do fundo do nosso Quintal”, “Só pra Contrariar”, “Miudinho, meu Bem”, “Falso Herói”, “Vai Lá Vai Lá” e “Parabéns pra Você”.
O CD e DVD "Só Felicidade" foi gravado após o Carnaval de 2014, e contou com a produção de Rildo Hora e vários convidados. “O projeto tem o ofício de nos entreter com seu canto, seu gingado e sua magia, de reunir em torno de suas vozes a felicidade de ser o samba, de fazê-lo andar com passos firmes em direção a todas as casas, todas as ruas, todas as festas, todas as gentes”, revela Mário Sérgio, vocalista do grupo.  
Fundo de Quintal surgiu a partir do bloco carnavalesco Cacique de Ramos, da cidade do Rio de Janeiro, e tornou-se referência original no sub-gênero pagode. Ele é o berço de diversos artistas, como Jorge Aragão, Sombrinha, Almir Guineto, Arlindo Cruz, Walter Sete Cordas, Cléber Augusto e Neoci e padrinho das gerações de sambistas que vieram depois.Na trajetória do grupo, constam 32 CDs (15 discos de ouro e 4 discos de platina), 3 DVDs, 17 Prêmios da Música Brasileira - Categoria Melhor Grupo de Samba, 4 Edições do Troféu Raça Negra - Categoria Melhor Grupo de Samba e temporadas na Europa, EUA, Japão e África.  
O ingresso individual custa, para cada dia, a partir de R$ 100. O Manhattan fica na Rua Francisco da Cunha, 881 - Boa Viagem, Recife - PE. Mais informações pelo fone (81) 3325 – 3372.

Resgatando cidadania neste sábado

O Projeto Resgatando Cidadania, realizado pela Gerência de Prevenção e Articulação Comunitária – GPAC, da Secretaria de Defesa Social – SDS e parceiros, realiza na manhã deste sábado, 19 de setembro de 2015, mais uma ação de promoção de cidadania. 
Desta vez moradores dos bairros da Imbiribeira e Campo Grande, no Recife e de Caixa D’ Água, em Olinda terão acesso a serviços gratuitos como emissão de documentos, palestras e orientações sobre seus direitos. A ação é promovida todos os sábados e visa facilitar o acesso da população aos serviços oferecidos. 
Em Olinda o trabalho acontece em parceria com o Projeto Olinda em Ação e serão oferecidas emissões de 50 carteiras de identidade pela SDS, além de outros serviços levados pelos demais parceiros da ação. Já nos bairros do Recife será oferecida a emissão de 300 carteiras de identidade. 
Em Campo Grande o Projeto vai acontecer em parceria com o Programa Governo Presente, do Governo do Estado e na Imbiribeira junto com o Programa “É meu Direito”, desenvolvido pelo Núcleo de Prática Jurídica da Faculdade Boa Viagem, e faz parte das atividades da  “Semana de Responsabilidade Social”.

Serviço: Projeto Resgatando Cidadania 
Data: 19 de setembro de 2015 - Sábado 
Hora: Das 8:00 às 12:00 

RECIFE 
Local: NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA  - Faculdade Boa Viagem
Endereço: Rua Arquiteto Luiz Nunes, nº 1274, Imbiribeira   
Fone: (81) 3037.0704
Ponto de Referência: Em frente a GVT ( Na entrada da Lagoa do Araçá)

Local: Escola Municipal Professora Jandira Botelho
Endereço: Rua Farias Neves, s/n, Campo Grande
Referência: Chegando à Praça de Campo Grande, entrar ao lado da Farmácia Cidade - sentido a Beira do Canal


OLINDA

Local: Escola Estadual Coronel Valeriano Eugênio de Melo
Endereço: Rua Francisco Gomes, Caixa D’ Água - Olinda
Referência. Na avenida principal, entrar na rua do mercadinho Caixa D’Água e Igreja Internacional da Graça de Deus.

Secretaria de Defesa Social

Feira de equipamentos para oficinas

Empreendedores e profissionais da área de reparação de veículos, que planejam ter um negócio próprio, podem encontrar na Feira de Tecnologia Automotiva – Autonor 2015 todas as máquinas e equipamentos necessários para montar uma pequena oficina. 
No evento, que está sendo realizada no Centro de Convenções de Pernambuco, até o próximo sábado, estão em exposição não só equipamentos sofisticados e de alto custo, mas também itens mais acessíveis que possibilitam a implantação desde uma simples borracharia, até uma oficina especializada em injeção eletrônica, ou uma codificadora de chaves de ignição para veículos. A variedade de produtos é grande e vai desde um simples macaco jacaré até scanners que identificam na tela de um tablet ou smart phone os problemas do motor.
Um empreendedor interessado em prestar serviço de codificação de chaves, por exemplo, pode começar seu negócio investindo, aproximadamente, R$ 5 mil com os equipamentos básicos, incluindo a o equipamento de codificação de chaves, multímetro e caneta de polaridade. Para o profissional que quer trabalhar com injeção eletrônica, o investimento básico inicial é, em média, de R$ 7 mil, contendo teste de injeção eletrônica, caneta de polaridade, máquina de limpeza de bicos e multímetro.
Segundo João Queiroga, da distribuidora de equipamentos Luviscan, os preços dos equipamentos da indústria automotiva variam por conta dos fabricantes e a variedade de nacionais e importados é gigantesca”, afirma. Em razão disso, a pesquisa é fundamental e, durante a Autonor, isso pode ser feito no pavilhão de exposições onde encontram-se dezenas de expositores das mais diversas marcas.
De acordo com Paulo César, profissional da área que estava visitando a feira, os preços estão bem abaixo do mercado, sua intenção era apenas comprar um compressor, porém, com tantas facilidades, tá difícil segurar o ímpeto em melhorar seus equipamentos de trabalho. “Na crise quem não investe acaba ficando para trás”, destacou Paulo.
Os empreendedores que planejam abrir ou ampliar a sua oficina também encontram na feira o estande do Sebrae (Serviço de Apoio a Micro e Pequena Empresa), no qual os consultores da instituição podem dar orientação sobre a implantação e administração do negócio. Além disso, empresas como a Luviscan também dão treinamento para que o cliente possa usar os equipamentos de forma eficaz. 

Farmácia veterinária interditada em Garanhuns

Durante o período de 3 a 8 de setembro, foi realizada uma ação conjunta da Agência de Defesa e Fiscalização Agropecuária de Pernambuco - Adagro, Vigilância Sanitária-Visa e da Agência Pernambucana de Vigilância Sanitária-Apevisa, para a interdição da Farmácia Veterinária Fofinho, em Garanhuns. 

O estabelecimento estava comercializando produtos com a validade vencida, violada ou ilegível, além de produtos fracionados e sem registro de lote.

Durante a fiscalização foram encontrados carimbos e documentos que comprovavam a fraude que alterava a validade dos produtos. No local foram apreendidos 4.418 itens diferentes. Foram 613 unidades de cosméticos, 398 de remédios terapêuticos, 688 de material hospitalar e aproximadamente duas toneladas de ração para cães, gatos e outras espécies.

A ação foi decorrente de uma denúncia recebida pela Visa e uma ação conjunta foi formada para inspecionar o local. Devido à gravidade dos fatos foi aberto um boletim de ocorrência na Delegacia de Polícia Civil de Pernambuco (18º Delegacia Seccional de Polícia da cidade de Garanhuns) e também foi encaminhada uma denúncia para o Conselho Regional de Medicina Veterinária de Pernambuco- CRMV-PE, em consequência da negligência do médico veterinário responsável técnico do estabelecimento.


Os produtos apreendidos estão em um depósito que foi interditado, visto que servem como prova das irregularidades praticadas pela farmácia Fofinho.

Imprensa Adagro

Supremo proíbe doações de empresas para campanhas políticas

Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta quinta-feira (17), por 8 votos a 3, declarar inconstitucionais normas que permitem a empresas doar para campanhas eleitorais.
Com isso, perdem validade regras da atual legislação que permitem essas contribuições empresariais em eleições.
Ao final da sessão, o presidente do STF, ministro Ricardo Lewandowski, afirmou que a decisão valerá já a partir das eleições de 2016 e não invalida eleições passadas.
A decisão também dá à presidente Dilma Rousseff respaldo para vetar trecho de uma proposta recém-aprovada pelo Congresso Nacional que permite a doação de empresas para partidos políticos.
Se a nova lei for sancionada sem vetos, outra ação poderá ser apresentada ao STF para invalidar o financiamento político por pessoas jurídicas.
No julgamento, votaram a favor da proibição o relator do caso, Luiz Fux, e os ministros Joaquim Barbosa, Dias Tofffoli e Luís Roberto Barroso (em dezembro de 2013); Marco Aurélio Mello e Ricardo Lewandowski (em abril do ano passado); além de Rosa Weber e Cármen Lúcia, que votaram nesta quinta.

A favor da manutenção das doações por empresas votaram somente Gilmar Mendes (em voto lido nesta quarta), Teori Zavascki, que já havia se manifestado em abril do ano passado, e Celso de Mello.

Na sessão desta quinta, Fux, como relator, relembrou seu entendimento sobre as doações por empresas, argumentando que a proibição levaria à maior igualdade na disputa eleitoral.
"Chegamos a um quadro absolutamente caótico, em que o poder econômico captura de maneira ilícita o poder político", afirmou na sessão.
Rosa Weber, por sua vez, argumentou que a influência do poder econômico compromete a "normalidade e a legitimidade das eleições".
"A influência do poder econômico culmina por transformar o processo eleitoral em jogo político de cartas marcadas, odiosa pantomima que faz do eleitor um fantoche, esboroando a um só tempo a cidadania, a democracia e a soberania popular", afirmou a ministra.
Ao votar, e citando a Constituição, Cármen Lúcia afirmou que o poder emana do povo. "Há uma influência que eu considero contrária à Constituição, é essa influência que desiguala não apenas os candidatos, mas desiguala até dentro dos partidos. Aquele que detém maior soma de recursos, é aquele que tem melhores contatos com empresas e representa esses interesses, e não o interesse de todo o povo, que seria o interesse legitimo", disse.

Apesar de já ter votado, Teori Zavascki complementou seu voto, no sentido de limitar as empresas que poderiam contribuir.
Para ele, deveriam ser impedidas aquelas que possuem contratos com a administração pública. Ele também propôs que, caso pudesse doar, a empresa escolhesse somente um dos candidatos que disputam determinado cargo.

Celso de Mello, o último a votar, entendeu, por sua vez, não haver incompatibilidade com a Constituição a doação por pessoa juridica, desde que não haja abuso de poder econômico.
Entendo que não contraria a Constituição o reconhecimento da possibilidade de pessoas jurídicas de direito privado contribuírem mediante doações para partidos políticos e candidatos, desde que sob sistema de efetivo controle que impeça o abuso do poder econômico", afirmou.
Nesta quarta, em longo voto, o ministro Gilmar Mendes se posicionou contra a proibição, argumentando que ela beneficiaria só o PT, prejudicando a disputa eleitoral. Ele argumentou que as doações privadas viabilizam uma efetiva competição eleitoral no país, já que, para ele, o PT não precisaria mais das contribuições, por ser financiado com desvio de dinheiro público.
Em nota, o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Marcus Vinicius Furtado Coêlho, saudou a decisão do Supremo.
“A partir de agora, os mandatos dos políticos pertencerão efetivamente a seus eleitores, e as empresas poderão se dedicar integralmente àquilo que sabem fazer de melhor: gerar empregos para a população”, disse.
Nova lei
Na semana passada, a Câmara dos Deputados aprovou a permissão para que empresas doem a partidos políticos, porém não mais diretamente a candidatos, como atualmente.
Para valer e virar lei, no entanto, a regra ainda depende da sanção da presidente Dilma Rousseff.
A decisão do STF de derrubar as doações por empresas não afeta diretamente a permissão dada pelo Congresso, mas, na prática, deverá invalidá-la no futuro.
Se a permissão dada pelo Legislativo for sancionada por Dilma, bastará que outra ação seja impetrada no STF para derrubá-la com base no novo entendimento do tribunal.
De outro modo, a própria presidente poderá vetar o trecho que permite as doações empresariais, com base no entendimento dos ministros.
Atualmente, o financiamento de campanha no Brasil é público e privado. Políticos e partidos recebem dinheiro do Fundo Partidário (formado por recursos do Orçamento, multas, penalidades e doações) e de pessoas físicas (até o limite de 10% do rendimento) ou de empresas (limitadas a 2% do faturamento bruto do ano anterior ao da eleição).
Portal G1

Egito: brasileiro pode ser condenado à morte

O jovem Lucas Stormoski, de 20 anos, pode ser mais um brasileiro a ser condenado à morte pelo tráfico de drogas. Morador de Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná, ele foi preso no último dia 10, no Aeroporto Internacional do Cairo, no Egito, com três quilos de cocaína e, pelas leis locais, corre o risco de ser condenado à prisão perpétua ou à morte por enforcamento.
Em entrevista à TV Al Hayah, logo após uma audiência, Lucas disse ter sido enganado pela pessoa que o contratou, que teria prometido que ele ganharia R$ 12 mil. "Ele (contratante) falou que eram uns comprimidos, mas eu não desconfiava que era cocaína, achava que era algum comprimido como o Viagra ou para academia e ele falou que a polícia não faria nada pois era legal. O máximo que fariam era conversar", afirmou.
Lucas esteve acompanhado de um representante do consulado brasileiro no País quando falou na audiência. O jovem disse estar arrependido. "Caí na lábia dele, ele falando que seria fácil e deu no que deu, foi o dinheiro e não se mede as consequências. Jamais queria passar por isso, nunca, sempre estudei, trabalhei e chega uma oferta do nada, não resisti, estava precisando de dinheiro, como todo mundo precisa de dinheiro", afirmou.
O tráfico de drogas é considerado um crime gravíssimo no país, assim como no Paquistão e outros locais de maioria islâmica e geralmente são punidos com a pena de morte.
Lucas também disse que nunca havia saído do país. "Nunca saí do Brasil, só estive no Paraguai e Argentina, que é perto, estou me sentindo um lixo, não tenho o que falar. Não tem coisa pior que ficar em um país do outro lado do mundo, longe de sua casa, sem saber se defender", disse.
No final da entrevista, abalado, o jovem pediu perdão ao pai. "Foi a pior besteira que fiz em minha vida, chega, que eu não aguento mais falar, só quero pedir perdão. Perdão, pai, ele sempre me deu conselhos, fui meio rebelde e agora estou sentindo na pele", concluiu.
Outros dois brasileiros foram executados, ambos na Indonésia, Marco Acher (executado em fevereiro) e Rodrigo Gularte (executado em maio). Os dois haviam sido condenados por tráfico de drogas.
Brasil Post

quarta-feira, setembro 16, 2015

Casamento: história derruba argumentos fundamentalistas

Em um post recente, Michael Brown, apresentador do programa de rádio The Line of Fire (a linha de fogo) e presidente do FIRE School Ministry, desafiou Michelangelo Signorile, editor contribuinte do HuffPost Gay Voices, para um debate sobre Kim Davis (foto), a funcionária pública do Estado do Kentucky que se recusou a aceitar o casamento de casais do mesmo sexo alegando que ele contraria suas crenças religiosas.
O desafio de Brown foi lançado depois de Signorile publicar um post no The Huffington Post no qual afirmava: “Não podemos ser reféns do teatro dos extremistas religiosos”. Brown respondeu, escrevendo: “Quem são os extremistas, na realidade? Aqueles que estão convencidos de que um casamento, para ser um casamento, tem de incluir um homem e uma mulher, como tem sido o caso em toda a história registrada, em todas as culturas e países, e em harmonia com as crenças religiosas de bilhões de pessoas, ou aqueles que querem redefini-lo radicalmente?”
O problema da resposta de Brown é que o casamento nem sempre envolveu homens e mulheres e certamente não exige crenças religiosas para ser considerado válido. É simplesmente errado afirmar que o casamento é uma instituição estática que não continua evoluindo de modo extremo ao longo do tempo, ou que o tipo de casamento defendido por pessoas como Brown é o único que jamais existiu na história.
De “casamentos fantasmas” a cerimônias realizadas somente para chegar ao poder, eis aqui apenas algumas maneiras pelas quais o casamento foi redefinido ao longo da história.
Grécia Antiga: casamento é para fazer bebês.
grécia
GIUSEPPE BARTUCCIO VIA GETTY IMAGES
Como muitos governos da antiguidade, Atenas não definia legalmente o casamento de seus cidadãos. Produzir filhos era basicamente a única razão para se juntar – como disse um homem: “Mantemos hetarae (cortesãs) para o prazer, concubinas para o cuidado diário com nossos corpos e esposas para ter filhos legítimos e para a vigilância da nossa casa” – porque o estado controlava a transferência de riquezas por meio da herança.
Era tão importante manter as propriedades na família, escreve Stephanie Coontz, autora de Marriage: A History (casamento: uma história, em tradução livre), que uma menina cujo pai morresse sem deixar um herdeiro homem poderia ser forçada a se casar com o parente mais próximo do sexo masculino, mesmo que para isso fosse obrigada a se divorciar do marido atual.
O casamento nem sequer era considerado a mais ideal das uniões, pelo menos segundo os membros da elite da sociedade. Essa honra cabia às – que rufem os tambores, por favor – parcerias homossexuais, já que não se esperava que homens e mulheres oferecessem realização emocional um para o outro.
Povos indígenas ao redor do mundo: a vida é difícil, então case com quem oferecer mais ajuda.
Em algumas culturas, os homens tinham várias esposas, para que elas pudessem ajudar com todo o trabalho necessário para sustentar a família. As mulheres de Botsuana tinham um ditado: “Sem outras esposas, o trabalho da mulher não acaba nunca”, escreve Coontz. No ambiente árido da Austrália, os aborígenes arranjavam os casamentos das crianças com base no acesso estratégico a terras, para que o clã tivesse comida e água em seus deslocamentos.
Algumas tribos nativas da América do Norte respeitavam os indivíduos de “dois espíritos”, ou que pudessem fazer o trabalho de homens e mulheres. As pessoas de dois espíritos podiam se casar com pessoas do mesmo sexo, pois todas as tarefas domésticas seria realizadas facilmente, tornando o casamento uma questão mais de trabalho que de gênero.
China antiga: por que restringir o casamento aos vivos?
china
BRITTA WENDLAND VIA GETTY IMAGES
Filósofos confucianos argumentavam que os laços familiares mais fortes eram os de pais e filhos, ou entre irmãos, escreve Coontz. Laços maritais ocupavam um distante segundo lugar em relação aos familiares, tanto que um filho poderia ser espancado se tomasse o lado de sua esposa (que era forçada a morar com a família do marido) e não o do pai.
Uma das tradições matrimoniais mais estranhas de todos os tempos sem dúvida é a dos “casamentos fantasmas” . Para evitar que parentes que morreram solteiros ficassem sozinhos na vida além-túmulo, suas famílias os casavam com outros mortos.
Os dois eram unidos numa cerimônia realizada no cemitério, e os sogros mantinham contato depois do casamento. Apesar de proibidos hoje em dia, os casamento fantasmas ainda acontecem no país.
Egito antigo: casamento para ter sangue azul.
Os governantes do império dividido de Alexandre o Grande usavam o casamento como arma política, escreve Coontz. Eles tinham mais de uma esposa, com o objetivo de estabelecer alianças com outros reis. Mas, diferentemente das co-esposas de Botsuana, as co-esposas helênicas tipicamente se odiavam, pois enxergavam ameaças umas nas outras. As crianças conspiravam com suas mães contra as madrastas. Irmãos conspiravam contra irmãos. Para produzir herdeiros que pudessem acabar com qualquer dúvida a respeito da legitimidade, também ocorriam casamentos de irmãos com irmãs.
Nas classes mais baixas, nas quais não havia muita riqueza em jogo, havia mais liberdade na escolha do parceiro. Mas os casamentos ainda eram vistos como contratos comerciais, pois uma vida de solteiro independente era praticamente impossível sem a mão de obra necessária para trabalhar no campo e cuidar da casa. Os escravos, que não tinham casas próprias, eram proibidos de casar.
Roma antiga: vamos usar nossas mulheres como moeda de troca política.
roma
MICHAEL DUVA VIA GETTY IMAGES
O objetivo final de um casamento romano, como em tantas outras culturas, era produzir filhos legítimos. Os homens eram vistos mais como administradores das famílias do que como integrantes delas, escreve Coontz. Para além da necessidade de permissão oficial para se casar com estrangeiros, entretanto, o Estado não estava preocupado com quem se casava com quem.
Governantes entregavam suas próprias mulheres para outros a fim de formar alianças políticas – foi o que fez Marcus Porcius Cato ao se divorciar de sua mulher, Marcia, e arranjar o casamento dela com seu amigo Hortensius. Nem imaginamos como Marcia se sentiu.
Os primeiros cristãos: o sexo marital é um mal necessário.
“Muitos dos primeiros cristãos”, escreve Coontz, “acreditavam que o casamento minava o rigoroso autocontrole necessário para se alcançar a salvação espiritual”. O celibato, portanto, era preferível ao casamento, mas o sexo era tolerado se tivesse como propósito a procriação – desde que você não se casasse com seu primo, primo de segundo grau, madrasta, afilhada, viúva do seu irmão ou tio, ou qualquer mulher a menos de sete graus de separação. (Boa sorte para entender essa regra.)
Europa Medieval: a vida ainda é difícil, e o casamento faz sentido para os negócios.
Para os ricos, o casamento era mais uma vez um acordo político entre duas famílias que desejavam consolidar seus laços e unir seus patrimônios. Rainhas arranjavam casamentos para irmãos, parentes e damas de companhia a fim de criar redes de apoio internacionais. Nos séculos 12 e 13, as pessoas acreditavam que “o amor não consegue exercer suas forças entre duas pessoas casadas”, como escreveu certa vez a condessa de Champagne. Relações adúlteras, por outro lado, eram o ápice do romance.
Para a Igreja Católica, o casamento simplesmente consistia entre um homem, uma mulher, consentimento mútuo, consumação e – muito importante – aprovação dos pais. Os pais tinham tanto controle sobre as negociações de casamento que, em 1413, dois pais de Derbyshire, na Inglaterra, assinaram um contrato no qual o nome da noiva foi deixado em branco, porque o pai não tinha decidido qual das filhas seria a noiva.
Os plebeus usavam o casamento para obter terras, que eram distribuídas aleatoriamente. Era ideal ter vários terrenos contíguos, e a esperança era que sua filha se casasse com o filho do vizinho. Comerciantes e artesãos costumavam casar seus filhos com famílias da mesma área de negócios, para compartilhar recursos.
Século 16: o casamento agora é um sacramento.
século 16 o casamento agora é um sacramento
JULIANN ITTER VIA GETTY IMAGES
Em 1536, a Igreja Católica decretou que o casamento era um ritual sagrado, a ser realizado numa igreja. O assunto já havia sido discutido séculos antes, diz Coontz, mas teria invalidade muitos casamentos, pois na época ninguém se casava na igreja.
Enquanto isso, os protestantes declararam o direito do clero de celebrar casamentos, mas ao mesmo tempo advertiam os noivos a não se amar demais. Muita gente ainda se espantava com o conceito de amor no casamento – um colono da Virgínia escreveu que uma amiga “gostava mais do marido do que a Educação da época permite”. (Mas, sendo justo, demonstrações públicas de afeto são um saco.) Em toda a Europa pré-Industrial, entretanto, o casamento era mais bem descrito como “um repertório de sistemas adaptáveis, não um padrão”, escreve o historiador E.A. Wrigley.
Iluminismo: o amor no casamento também é meio importante.
Pensadores dos salões começaram a ruminar sobre o casamento e decidiram que parceiros apáticos eram uma coisa triste. Dois pombinhos apaixonados deveriam ter a liberdade de escolher com quem se casariam, em vez de deixar a decisão na mão dos pais, elevando a importância do companheirismo e da cooperação. O casamento começou a se tornar a parceria privada que reconhecemos hoje.
Os críticos, é claro, disseram que essa igualdade entre os parceiros era a destruição do casamento como a sociedade o conhecia, pois minava a autoridade do homem que mantinha a solidez do lar. Tolas mulheres!
Era Vitoriana: boas esposas pertencem ao “culto da pureza”.
era vitoriana
ALLAN BAXTER VIA GETTY IMAGES
Quando a rainha Vitória entrou na igreja com um vestido virginalmente branco, ajudou a mudar a percepção das mulheres: em vez de “libidinosas”, elas passaram a ser vistas como inocentes, assexuais. O casamento ideal ocorria entre um homem e uma mulher de morais imaculadas. Quando o sexo passou a ser considerado indecente demais para boas moças – que eram incentivadas a reprimir seus impulsos sexuais --, os homens passaram a sentir menos estresse por causa de suas relações com prostitutas.
Começo do século 20: casais devem ter boas transas.
Os jovens se rebelaram contra seus pais certinhos da era vitoriana exaltando a juventude e o físico – além de se casar por amor, casais ideais também tinham vidas sexuais gratificantes. No final dos anos 1920, escreve Coontz, a intimidade de um casal tinha se tornado mais importante que os laços com os país. Enquanto isso,críticos escreviam colunas em jornais com títulos como “O casamento está falido?” e previam que o foco crescente no sexo levaria ao fim da instituição em menos de 50 anos.
1950: as famílias nucleares são as melhores famílias.
família nucleares
H. ARMSTRONG ROBERTS/CLASSICSTOCK VIA GETTY IMAGES
A era pré-Segunda Guerra Mundial viu uma “febre de casamentos” que resultou numa obsessão com a família nuclear depois do conflito. Os casamentos tipicamente consistiam do homem, que ganhava o pão, da mãe, dona-de-casa, e alguns filhos – e as uniões tinham uma duração como jamais se vira na história. Ainda havia leis, entretanto, proibindo brancos de se casar com negros, mongóis, hindus, indianos, japoneses, chineses ou filipinos. As leis que impediam o casamento de pessoas com problemas mentais continuavam em vigor – e algumas estão em vigor até hoje –, mas em geral deixaram de ser aplicadas a partir da metade do século 20.
Fim do século 20: o casamento é um direito humano.
Grupos feministas lutaram para aliviar a pressão que as mulheres sofriam para arrumar um marido, ajudando a consolidar a ideia de que o casamento é uma parceria entre iguais. O estupro marital passou a ser considerado crime. Estados começaram a repelir leis que impediam certos casamentos – a proibição de casamentos interraciais foi declarada inconstitucional pela Suprema Corte em 1967, e o casamento entre presidiários foi legalizado em 1987 --, e a ideia de um casamento perfeito se torna cada vez mais uma questão comercial – e bilionária.
Em 2001, a Holanda se tornou o primeiro país do mundo a permitir o casamento entre pessoas do mesmo sexo.
E a história continua...
Brasil Post