domingo, 26 de abril de 2020

Mudança na direção da PF: entidades de delegados defendem autonomia para evitar ingerência política

A respeito da troca na diretoria-geral da Polícia Federal, a Associação dos Delegados de Polícia do Estado de Pernambuco (Adeppe) defende autonomia para as Polícias judiciárias, a fim de impedir interferências na gestão dessas instituições fundamentais para a sociedade. “Vemos que está mais do que na hora de as Polícias Civis e Federal terem autonomia. Seus dirigentes precisam ter mandato para evitar ingerências políticas. É importante fortalecer o cargo de delegado e dar a ele mais garantias, como a inamovibilidade”, enfatizou o presidente da Adeppe, Bruno Bezerra.

A Adeppe, filiada à Associação dos Delegados de Polícia do Brasil (Adepol do Brasil), também divulga e apoia a nota conjunta emitida pela Adepol do Brasil e Federação Nacional dos Delegados de Polícia Civil (Fendepol). No texto, as entidades propõem que seja retomado no Congresso Nacional o projeto de lei (PLS) 474/2017, que estabelece mandato de dois anos, permitida uma recondução, ao diretor-geral da Polícia Federal e das Polícias Civis.

“Uma vez introduzida [a proposição legislativa] em nosso ordenamento jurídico evitaria esse quadro de insegurança institucional na gestão das Polícias Civis e Federal de nosso país e preservaria politicamente as políticas governamentais de eventuais polêmicas relacionadas a mudanças de quadros na direção de tais corporações, tal como ocorre recorrentemente em diferentes Governos”, enfatizam a Adepol do Brasil e a Fendepol.


Imprensa Adeppe

Nenhum comentário:

Postar um comentário