sexta-feira, março 05, 2021

Feministas do Grande Recife organizam live em comemoração ao Dia Internacional de Luta das Mulheres

Na próxima segunda-feira (08), mulheres da Região Metropolitana do Recife farão uma live das 19h às 21h para celebrar o Dia Internacional de Luta das Mulheres, 08 de Março através do Youtube e do Facebook do 8M Recife. Diferente dos anos anteriores, cujas atividades aconteceram nas ruas, com milhares de pessoas dando o recado político e trazendo suas reivindicações, dessa vez, diante do cenário de pandemia que o mundo está passando e cuja situação tem se agravado no Brasil, o foco vai ser o ambiente virtual.

Realizar o ato virtual em meio a esse cenário de aprofundamento das desigualdades é um dos desafios. “Gostaríamos muito de poder estar ocupando as ruas como em todos os anos, mas pela ação deliberada genocída dos governos, precisamos nos cuidar e denunciar coletivamente a negação aos nossos direitos básicos pela vida de todas as mulheres. Estamos morrendo pelo aumento da violência, pela fome, por nos faltar o mínimo, não deixaremos de denunciar e lutar. Buscamos uma forma de seguir em luta, cuidando das nossas vidas.”, disse Luisa Lins, militante da Rede Nacional de Feministas Antiproibicionistas (Renfa) e do Fórum de Mulheres de Pernambuco.

A partir do eixo central “Feministas pela vida, contra o governo da morte! Fora Bolsonaro e Mourão”, o evento terá momentos de arte, de poesia, música e de manifesto e demarcação do posicionamento político. A live faz parte de uma construção coletiva de mulheres de diversos espaços, de coletivos, movimentos, organizações, partidos, sindicatos e que vêm se reunindo desde janeiro. Além do lema central, há eixos temáticos, que foram fruto de muitos debates. 

São eles: “Abaixo à Violência contra as Mulheres Cis, Negras, Travestis, Trans, LBTQIA+, Indígenas e Mulheres com Deficiência”; “Gravidez Forçada é Tortura, Legalização do Aborto já”; “Pela Saúde Integral das Mulheres, em Defesa do SUS, Vacina para Todas e Todes!”; “Para enfrentar a fome e a pobreza, queremos emprego, renda básica e moradia já!”; “Pelos Direitos do Povo Negro, Indígenas, Quilombolas e Ribeirinhos e da População Trans”; “Mulheres negras livres: basta de encarceramento!”; “Em defesa da vida das crianças e das mães negras: justiça por Miguel!” e, por fim, “Abaixo à Violência Racista contra a População Negra!”.

São eixos que trazem a dimensão de como os problemas têm se manifestado de forma concreta na vida das mulheres e que tem aprofundado as desigualdades de gênero, pois são as mulheres que têm sofrido as consequências da pandemia. Em pesquisa feita pelo novo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) referente ao ano de 2020, 99,5% dos empregos formais perdidos em Pernambuco foram de mulheres, o que evidencia as desigualdades de gênero no estado. 

Segundo notícia do jornal O Globo publicada no dia 21 de fevereiro, 19% das 5 milhões de pessoas vacinadas contra a Covid-19 até então no Brasil eram negras. Levando-se em consideração que, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 56% da população brasileira é negra, esse percentual de vacinação evidencia a desigualdade racial no aspecto da imunização. A partir de domingo (07), as mulheres também realizam intervenções políticas e culturais em comunidades do Recife, Olinda, Paulista, Jaboatão e Igarassu.

Serviço:
O que: Live-ato virtual – 8 de Março - Feministas pela vida, contra o governo da morte! Fora Bolsonaro e Mourão
Quando: segunda-feira (08) das 19h às 21h






Nenhum comentário:

Postar um comentário