Sabores da Tia Val

Sabores da Tia Val
Encomendas pelo Direct do lnstagram

domingo, fevereiro 07, 2021

Funase inicia grupo de estudos sobre Justiça Restaurativa

 

Avançando na proposta de se consolidar como um espaço de produção de conhecimento, o Núcleo de Justiça Restaurativa da Fundação de Atendimento Socioeducativo (Funase) deu início, nesta semana, a um grupo de estudos sobre o tema com servidores técnicos da instituição. A atividade, que contará com oito encontros mensais, busca gerar reflexões sobre as práticas restaurativas no ambiente da socioeducação, à luz do Estatuto da Criança e do Adolescente e da lei do Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (Sinase). A ideia é que o trabalho resulte na produção de um artigo para publicação em periódicos científicos.

 

A iniciativa está ocorrendo, de forma virtual, por meio de uma atuação conjunta das superintendências da Política de Atendimento e de Gestão do Trabalho e Educação da Funase. Ao longo dos encontros, serão abordados aspectos teóricos e metodológicos, a relação da Justiça Restaurativa com a criminologia crítica/vitimologia, a Justiça Restaurativa brasileira, aplicações práticas e as categorias Diálogo e Alteridade. A expectativa é de que também sejam geradas reflexões sobre como fortalecer essa prática na socioeducação. Os servidores participantes atuam como facilitadores dessa temática nas unidades da Funase em todo o Estado.

 

O início do grupo de estudos é mais um passo de uma trajetória iniciada em 2017, quando 240 profissionais da instituição passaram por capacitações no âmbito do projeto “Semeando uma Cultura de Paz: práticas restaurativas como ferramenta da socioeducação”, com ministração do juiz Élio Braz, do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), e do professor Marcelo Pelizzoli, da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Outra etapa foi a formação de 80 servidores pela psicóloga e consultora Monica Mumme, referência nacional no tema. Em 2019, a Funase formalizou, em publicação no Diário Oficial do Estado, a criação do Núcleo de Justiça Restaurativa, responsável por fomentar essa prática entre funcionários, adolescentes e jovens do sistema socioeducativo.

 

De acordo com a coordenadora do Núcleo de Justiça Restaurativa da instituição, Marcela Mariz, o primeiro encontro foi muito produtivo para a escuta das expectativas dos participantes, que ficarão responsáveis por apresentações sobre leituras sugeridas a cada mês. “Nossa intenção é que possamos nos aprofundar sobre a Justiça Restaurativa, compreendendo não só o que ela é, mas, sobretudo, o que ela não é, tendo em vista o fortalecimento dessa prática no processo de socioeducação”, afirmou.


lmprensa Funase

Nenhum comentário:

Postar um comentário