terça-feira, 31 de dezembro de 2019

Pernambucana é a musa LGBT de 2019


Em um concurso que revelou nomes como Roberta Close (1981), hoje a coroa de Miss Brasil Gay é de um transformista pernambucano, que no dia-a-dia é Antonio Trindade Junior, mas na passarela é Antonia Gutierrez. A bela sertaneja de olhos azuis (Gutierrez nasceu em Salgueiro, no Sertão central do Estado) havia conquistado os títulos de Miss Salgueiro Gay e Miss Pernambuco Gay, antes de se consagrar nacionalmente em agosto.

O Concurso Miss Brasil Gay surgiu em Juiz de Fora - MG no ano de 1976, sendo criação do cabeleireiro Francisco Mota, que continua à frente da competição. Tendo representantes de todos os estados e do Distrito Federal desde então, as candidatas não podem ser mulheres trans, travestis, ou mesmo terem os corpos modificados por procedimentos estéticos, como aplicações de silicone.

Desde 2007, o Miss Brasil Gay é patrimônio imaterial de Juiz de Fora e o certame tem repercussão internacional. Na última edição, vencida por Antonia, a principal atração musical foi a cantora Pabllo Vittar. As pernambucanas são vitoriosas pela terceira vez, já que as misses Renata Finsk e Lisandra Brunnelly também foram nacionalmente coroadas.

Simpática e supergentil, Antonia nos concedeu uma entrevista em meio ao seu reinado, que considera “a realização de um sonho de adolescência”. Mas ser miss não é apenas desfilar. Esta semana, ela liderou uma campanha de solidariedade para o Abrigo Frei Lourinho - Encruzilhada de São João, em Bezerros, no Agreste de Estado.

Vamos lá?

1) Como é ser a Miss Brasil Gay?

Ser Miss Brasil Gay oficial é ter muita responsabilidade, pois tenho muitos compromissos todos tenho que estar sempre impecável, porém tenho meu trabalho também, pois então tenho que conciliar os dois... Ser miss é uma representatividade de um peso imenso... Bom, eu sonhei muito em ser a Miss Brasil, além das barreiras que surgiram, eu estou amando e dando o meu melhor no meu reinado.

2) Ser LGBT é lidar com vários estereótipos. Como vc enfrenta isso?

Lidar é muito difícil, porém temos que ser seguros e muito inteligentes pra não cair na tentação de discutir, ou até mesmo criar situações constrangedoras... Não é fácil, porém toda vez mostro o outro lado da moeda sendo o máximo de educada e sábia, em situação que provavelmente já passei...

3) Dá pra conciliar a carreira de miss com suas atividades cotidianas?

Então, é muito, mas muito difícil, porém quando amamos, lutamos com todas as armas que temos, e isso que venho fazendo de toda forma tem as consequências, mas comecei a sonhar em ter este título com 17 anos de idade lutei muito e hoje sou a Miss Brasil Gay Oficial!
4) Mais do que representar Pernambuco, você representa o interior do estado. Como você é recebida pelo público da região?

Bom, em todos os lugares onde vou, eu sou recebida com o maior amor e carinho. Às vezes, fico muito surpreso do tamanho da admiração e reconhecimento... Eu fico radiante!

5) Quem são suas maiores informações na vida e na carreira?

Minha maior inspiração é a minha mãe. Ela é uma mulher belíssima, tanto de beleza física, como de coração... Sigo muitas misses, aprendo um pouco com cada uma... O universo miss sempre me encantou, todas as misses são referência e inspiração pra ter uma carreira...

6) Que mensagem você deixa para seu público, em especial os LGBTs?

Tenham amor no coração sejam humildes, ajudem seus colegas ao lado. Juntos somos mais fortes a sim conquistaremos um universo melhor.... Um grande beijo no coração!