Podcast Tais Paranhos

terça-feira, fevereiro 05, 2019

O desvendador das E-Farsas

Depois que uma postagem aqui no blog acabou causando polêmica, com direito a aparecer no E-Farsas, blogueira e desvendador de fake news estão sempre trocando ideias. E uma dessas ideias fabulosas do Gilmar está ganhando corpo: o Prêmio Foolitzer de Jornalismo, que satiriza o Pulitzer e visa consagrar os "veículos de comunicação" que mais e melhor espalham notícias falsas. "O trabalho do jornalista é nobre e não tem fim, além de ser essencial para que o brasileiro se informe e aprenda a questionar tudo o que lê na internet e a separar o que é fato do que é fake news", afirma Gilmar.

Gilmar Henrique Lopes é Analista de Sistemas, trabalha com PHP e banco de dados Oracle. É especializado em criação de ferramentas para Intranet. Em 2002, criou o E-farsas.com (o mais antigo site de fact checking do País!) que tenta desvendar os boatos que circulam pela Web. Produziu e apresentou o Programa E-farsas – que ia ao ar todas sextas-feiras pela Justtv. Nesse programa (que durou três anos), ele teve a oportunidade de saber, através de divertidas entrevistas, se o que rolou na internet foi verdadeiro ou falso!

Veja agora a entrevista exclusiva com o Gilmar:


Em tempos de Fake News, vc é um dos pioneiros na arte de desmascarar as lendas urbanas. Como surgiu a ideia do E-Farsas?

Sempre adorei a web e sempre repassava a maioria das correntes que me chegavam por e-mail até que um dia (em 1999) recebi um pedido de ajuda de uma menina que estava com câncer e, para cada e-mail repassado, ela iria ganhar $0.05 de duas empresas para ajudar em seu tratamento (a América OnLine e o UOL). Ao invés de repassar essa corrente adiante, resolvi pesquisar e descobri que a história era falsa. 
Comecei, então, a mandar essa minha pesquisa para os amigos, que adoraram e passaram a me mandar mais coisa pra pesquisar. No dia 1º de abril de 2002 (dia da mentira) estreei o E-farsas.


Na época, o termo “fake news” ainda não havia sido cunhado e não havia um termo para notícias falsas que circulavam na web e eu achava que seria bom se conseguisse mostrar para as pessoas que qualquer um pode (e deve) checar as informações usando a própria internet como ferramenta. 

As Fake News se alastraram como nunca nas redes. Como foi enfrentar isso?
Assim como as fake news se alastram mais rápido e em maior quantidade atualmente, a quantidade de informação disponível também aumentou. Isso é muito bom, pois uma simples busca no Google já pode ajudar a descobrir se aquela notícia que você recebeu no WhatsApp é verdadeira ou falsa.

Basicamente, essa é o início das minhas pesquisas: Verificar se algum site de notícias sério publicou algo a respeito ou se aquilo está apenas sendo compartilhado no WhatsApp.

Além disso, sempre aconselho os leitores do E-farsas.com a não se prenderem a uma única fonte. Cruzar informações de mais de um veículo de notícias ajuda muito.


E em relação ao prêmio? A zuera se mostra como uma utilidade pública, expondo quem faz isso. O objetivo é realmente esse, ou poderíamos identificar outros?
Em uma reunião com o pessoal da agência Leo Burnett, fizemos um brainstorm com ideias de como poderíamos trazer a público de forma bem humorada o assunto e ainda expor os nomes dos sites que sobrevivem na internet inventando fake news. A ideia foi a de criar o prêmio Foolitzer (uma sátira ao prêmio Pulitzer de jornalismo) que vai tentar entregar em mãos as medalhas de melhores fake news do ano para seus criadores.
Sabemos que os criadores de sites especializados em fake news querem a todo custo o anonimato e, dessa vez, eles vão ficar conhecidos e esperamos que os leitores, quando se depararem com notícias vindas desses sites, já ficarem sabendo que se trata de uma fonte não confiável.

Evidentemente que os vencedores não vão, mas, vai haver alguma cerimônia?
Nesse ano de estreia, vamos tentar entregar em mãos e fazer bastante barulho. Mas a ideia é que nas próximas edições consigamos arrumar uma espaço para fazer uma grande cerimônia de premiação!
As votações vão até o começo de fevereiro e podem ser feitas no site http://www.foolitzer.org/.
São 5 categorias: Política, Saúde, Conspiração, Esportes, Entretenimento, além da Gran Fake news.

Você já foi vítima de alguma fake news (coisa do tipo E Farsas recebeu dinheiro do PT, kkk)
Kkkkkkkk! Toda semana sou acusado de ser “de direita” ou “de esquerda”, dependendo da fake news que desmenti naqueles dias. Às vezes, sou acusado de fazer parte da “máfia das indústrias farmacêutica (quando provo lá no site que chazinho de plantinha não cura câncer, por exemplo), às vezes sou chamado de “cúmplice dos magnatas do petróleo” (quando provo que o carro a água não funciona).

O segredo é continuar fazendo o meu trabalho e dar risada. :)