Podcast Tais Paranhos

quinta-feira, janeiro 14, 2021

Brasil envia aviões para coleta de vacinas, 'muito cedo' para exportação, diz Índia

 

Um comunicado divulgado pelo Ministério das Relações Exteriores do Brasil na quarta-feira disse que uma aeronave Airbus A330neo da Azul Airlines equipada com contêineres especiais estava programada para voar de volta de Mumbai com dois milhões de doses da vacina do Serum Institute of India e chegar ao país em 16 de janeiro

O Brasil parece ter se precipitado ao anunciar oficialmente o envio de uma aeronave para transportar dois milhões de doses da vacina Covid-19 da Índia, com Nova Delhi deixando claro na quinta-feira que as decisões sobre o fornecimento a países estrangeiros levarão mais tempo.

Um comunicado divulgado pelo Ministério das Relações Exteriores do Brasil na quarta-feira disse que uma aeronave Airbus A330neo da Azul Airlines equipada com contêineres especiais estava programada para voar de volta de Mumbai com dois milhões de doses da vacina do Serum Institute of India e chegar ao país em 16 de janeiro.

Pessoas familiarizadas com os acontecimentos disseram, sob condição de anonimato, que todos os suprimentos contratados por países estrangeiros, incluindo o Brasil, seriam fornecidos pela Índia no devido tempo, embora um prazo para isso ainda não tenha sido finalizado.

“A Índia mantém seu compromisso de ajudar o mundo e todos os países receberão as vacinas”, disse uma das pessoas citadas acima.

O gabinete do presidente brasileiro Jair Bolsonaro anunciou em 8 de janeiro que ele havia escrito uma carta ao seu homólogo indiano Narendra Modi para agilizar o embarque de dois milhões de doses da vacina Covishield da AstraZeneca produzida pelo Serum Institute of India. Bolsonaro está enfrentando pressão para lançar a vacina de rivais políticos, incluindo alguns que mostraram preferência pela vacina chinesa.

“Para [garantir] a implementação imediata do Programa Nacional Brasileiro de Imunização, agradeço muito seus bons ofícios em agilizar o embarque de dois milhões de doses da vacina produzida pelo Instituto do Soro da Índia para o Brasil com urgência, mas desde que não impacta o programa de vacinação indígena ”, escreveu Bolsonaro na carta em português.

O comunicado da chancelaria brasileira, também em português, afirma que o Ministério da Saúde “comprou” as doses do Serum Institute of India e que a embaixada brasileira “fez acordos com as autoridades indianas e o Serum Institute of India, seguindo a carta do Presidente Jair Bolsonaro ao Primeiro Ministro Narendra Modi ”.



O comunicado também fala em planos de distribuição das vacinas aos estados brasileiros em até cinco dias após o aval da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para iniciar a imunização em todo o país, de forma simultânea e gratuita. Descreveu também a “bem-sucedida aquisição de doses” da Índia como demonstração das “excelentes” relações Brasil-Índia.

Questionado sobre o assunto durante uma coletiva de imprensa semanal, o porta-voz do Ministério de Relações Exteriores, Anurag Srivastava, disse que é muito cedo para discutir as exportações de vacinas, já que o programa de imunização da Índia está programado para ser lançado no sábado.

“Você deve se lembrar que o primeiro-ministro já havia declarado que a capacidade de produção e distribuição de vacinas da Índia será usada para o benefício de toda a humanidade no combate a esta crise”, disse Srivastava.

“Como você deve saber, o processo de vacinação está apenas começando na Índia. É muito cedo para dar uma resposta específica sobre o fornecimento para outros países, pois ainda estamos avaliando os cronogramas de produção e entrega. Tomaremos decisões a esse respeito no devido tempo, isso pode levar algum tempo. ”

Hindustan Times, com tradução da Redação

Nenhum comentário:

Postar um comentário