06/04/2019

Campanha de vacinação contra a gripe começa na próxima quarta (10)



A partir da próxima quarta-feira (10), aproximadamente 400 mil recifenses poderão procurar uma das 170 unidades de saúde da família (incluindo as Upinhas), unidades básicas tradicionais e policlínicas da Prefeitura do Recife para receber a vacina contra a gripe. A meta do Ministério da Saúde é vacinar pelo menos 90% do público-alvo. O Dia D da 21ª Campanha de Vacinação Contra a Influenza (gripe) será realizado no dia 4 de maio, e a previsão é encerrar a campanha no dia 31 de maio. Em 2018, 100% do público-alvo foi imunizado contra a doença.

A novidade deste ano é que a faixa etária das crianças que precisam se vacinar foi ampliada. Antes, o Ministério da Saúde (MS) recomendava imunizar os menores de 5 anos, e agora a vacina será para os menores de 6 anos (5 anos, 11 meses e 29 dias).

Entre os próximos dias 10 e 17, das 8h às 17h, serão vacinadas apenas as gestantes e as crianças de 6 meses a menores de 6 anos. Na semana seguinte, serão imunizados os outros grupos prioritários: pessoas com 60 anos de idade ou mais, puérperas (até 45 dias após o parto), trabalhadores da saúde, professores das escolas públicas e privadas, povos indígenas; adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade em cumprimento de medidas socioeducativas; os detentos e os funcionários do sistema prisional; pessoas com doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais.

Os profissionais de saúde vão aproveitar o período de campanha para atualizar a Caderneta de Vacinação da população. “Precisamos aproveitar que as pessoas estão nos nossos serviços para melhorar as coberturas vacinais. Vamos aplicar as vacinas contra coqueluche nas grávidas e crianças que precisarem, assim como pretendemos imunizar mais adolescentes contra HPV, por exemplo”, explicou o secretário de Saúde do Recife, Jailson Correia.

A vacina é contraindicada apenas para pessoas que têm alergia a ovo e para aquelas que apresentaram alguma reação adversa em doses anteriores. Nos casos de doenças febris agudas, moderadas ou graves, é recomendado que a vacinação seja adiada.

A DOENÇA - Também conhecida como gripe, a Influenza é uma infecção viral aguda que afeta o sistema respiratório. É de elevada transmissibilidade no mundo todo, com tendência a se disseminar facilmente em epidemias sazonais. A transmissão ocorre por meio de secreções expelidas das vias respiratórias da pessoa contaminada ao falar, tossir e espirrar, ou pelo contato das mãos.

DOCUMENTOS - Parte do público-alvo precisa apresentar documentos que provem a necessidade da vacinação. Profissionais das redes públicas e privadas de educação e de saúde devem levar comprovantes laborais, como crachás ou carteira de trabalho, por exemplo. Mulheres puérperas necessitam de comprovação de que passaram por parto nos últimos 45 dias. Já as pessoas com comorbidade têm de apresentar encaminhamentos médicos justificando a aplicação da vacina.

VIGILÂNCIA – A Vigilância da Influenza é composta pela vigilância sentinela de Síndrome Gripal (SG) e de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) em pacientes internados em Unidade de Terapia Intensiva (UTI). A vigilância sentinela tem como objetivo principal identificar os vírus respiratórios circulantes, além de permitir o monitoramento da demanda de atendimento por essa doença. Já a vigilância universal de SRAG monitora os casos hospitalizados e óbitos com o objetivo de identificar o comportamento da Influenza grave.

No Recife, a rede sentinela para a Síndrome Gripal é formada pela Policlínica Amaury Coutinho (Campina do Barreto), Policlínica Arnaldo Marques (Ibura) e Hospital Pediátrico Cravo Gama (Areias). Já para a Síndrome Respiratória Aguda Grave, a rede é formada pelo Hospital Universitário Oswaldo Cruz (Santo Amaro), Imip (Coelhos) e Real Hospital Português (Paissandu).

Medidas para evitar a doença:

- Lavar as mãos com água e sabão frequentemente (principalmente antes de consumir algum alimento, tocar os olhos, nariz ou boca e após tossir, espirrar ou usar o banheiro);

- Ao tossir ou espirrar, cobrir o nariz e a boca com lenço descartável. Após o uso, descartá-los em lixeiras;

- Na ausência de um lenço, usar o ombro ou antebraço interno como barreira ao tossir ou espirrar;

- Não compartilhar alimentos, copos, garrafas, toalhas e objetos de uso pessoal;

- Manter os ambientes ventilados, com portas e janelas abertas, para favorecer a circulação de ar;

- Pessoas com gripe/resfriado devem evitar ambientes fechados e aglomerados, assim como o contato direto com outras pessoas (abraço, beijo, apertos de mão etc);

- Evitar sair de casa durante o período de transmissão da doença. Em adultos, este período dura, em média, até cinco dias após o início dos sintomas. Nas crianças pode durar, em média, dez dias;

- Não usar medicamentos sem orientação médica. A automedicação pode ser prejudicial à saúde;

- Adotar hábitos saudáveis, como alimentação balanceada e ingestão de líquidos.


Imprensa Recife