sábado, dezembro 11, 2021

16ª Mostra Brasileira de Dança

 

A 16ª edição da Mostra Brasileira de Dança (MBD) acontece, de forma presencial, seguindo todos os protocolos sanitários da Covid, de 11 a 19 de dezembro de 2021, nos: Teatro do Parque, de Santa Isabel e Luiz Mendonça. Na estreia, no dia 11, a Mostra apresenta o icônico e aplaudido espetáculo “As canções que você dançou pra mim”, da Focus Cia de Dança, do Rio de Janeiro, inspirado na beleza e no encanto das canções de Roberto Carlos. Em seguida, no dia 12, tem “Bichos Dançantes”, um espetáculo infantil também produzido pela Focus. No dia 15, o Grupo Experimental, do Recife, apresenta “Conceição em Nós”. No dia 16, é a vez do grupo Destramelar exibir “DNA do Frevo”, e no dia 17, Marcus Katu Buiati e Edson Beserra, de Brasília, apresentam “Velejando Desertos Remotos”.

Finalizando a Mostra, no dia 19, acontece uma novidade: a Noite de Gala. O evento é uma forma de apoiar e incentivar a presença das academias de dança da cidade durante a Mostra. O Ballet Cláudia São Bento abre a noite com a “Suíte do Ballet Coppélia”, acompanhado, em seguida, da apresentação do grupo Endança, que exibe a “Suíte ao Ar” e, finalizando a noite, a Companhia de Dança Fátima Freitas apresenta “O Quebra Nozes II Ato”. Os ingressos para os espetáculos podem ser adquiridos no Sympla e custam R$ 30 e R$15, a meia-entrada, ou nos teatros, duas horas antes de cada apresentação. Vale ressaltar que o evento ainda vai contar com três workshops gratuitos.

A saudade dos palcos foi grande. A última exibição presencial da Mostra Brasileira de Dança aconteceu na Colômbia, em 2019. De lá pra cá, uma edição virtual ocorreu, no início deste ano, para tentar amenizar a saudade dos palcos. Porém, chegou a hora do público reaver o tempo perdido e apreciar uma Mostra presencial, especial, pensada, planejada e realizada, nos mínimos detalhes, para oferecer leveza, beleza e descontração aos espectadores.

Os diretores da MBD, Iris Macedo e Paulo de Castro, comemoram o retorno presencial do evento. “Estamos muito felizes em proporcionar essa retomada da Mostra, que é um evento muito importante para toda a sociedade e para a classe artística. Trouxemos obras leves, bonitas e descontraídas porque entendemos que, nesse momento, o público precisa voltar a sonhar com dias melhores. E fazer a estreia no Teatro do Parque, que foi restaurado e entregue à sociedade recentemente, é muito representativo e emocionante”, destaca Iris. Para Paulo, a Mostra só melhora com o tempo. “Estamos com um olhar mais refinado, mas em constante aperfeiçoamento. Trazemos aos palcos uma maior diversidade de espetáculos para a apreciação do público. A volta da Mostra é fundamental, não só para nós, produtores, mas também para todos os trabalhadores da dança pernambucana e brasileira”, aponta.

Para Fátima Freitas, diretora artística da Cia Fátima Freitas, no Recife, a Mostra Brasileira de Dança é referência para as artes em geral. “Estamos honrados e muito felizes. Nós artistas, nos alimentamos, vivemos e sobrevivemos de nossa arte e para isso, necessitamos de espaços, oportunidades, incentivos e apoios”, relata. A coreógrafa Mônica Lira ressalta que a participação do Grupo Experimental na Mostra, diante de todos os percalços que a sociedade vive, é muito importante. “Dançar, nesse momento, é para mim, uma espécie de oração”.

Vale ressaltar que a Mostra Brasileira de Dança foi criada, em 2003, no Recife, e conta, até o momento, com a participação de mais de 500 grupos artísticos, e público formado por mais de 100 mil espectadores. Ao longo de sua trajetória, a Mostra contemplou diversas linguagens e expressões, e revelou o significado da diversidade cultural da dança no Brasil.

A Mostra Brasileira de Dança é uma realização da Fervo Projetos Culturais e da Paulo de Castro Produções, através do incentivo do Sistema de Incentivo à Cultura – SIC, Fundação de Cultura Cidade do Recife, Secretaria de Cultura, Prefeitura do Recife e, na esfera governamental, do Fundo Pernambucano de Incentivo à Cultura – FUNCULTURA -, Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco – Fundarpe, Secretaria de Cultura e Governo do Estado de Pernambuco, com apoio da Associação dos Produtores de Artes Cênicas de Pernambuco – APACEPE.

Nenhum comentário:

Postar um comentário