sexta-feira, 16 de outubro de 2020

Iniciativa da BRK Ambiental e da Foxtime promove capacitação profissional para venezuelanas refugiadas e brasileiras em situação de vulnerabilidade

 

A BRK Ambiental está à frente do projeto Reinventar, inciativa que oferece formação para mulheres brasileiras em situação de vulnerabilidade e refugiadas venezuelanas que vivem em diferentes cidades na Região Metropolitana do Recife. A inciativa é realizada em parceria com a Foxtime, e conta com o apoio de outras entidades, como o Pacto Global (ONU), o Instituto Aliança e a Universidade Estadual do Ceará (UECE). A formação técnica é realizada pelo Senai.

O objetivo do programa é fornecer uma formação integral para que as participantes possam atuar como encanadoras ou instaladoras hidráulicas. O curso alia o desenvolvimento de competências básicas às habilidades técnicas e específicas para manutenção em instalações hidrossanitárias.

O projeto conta com três mulheres brasileiras em situação de vulnerabilidade e 22 refugiadas venezuelanas, ou seja, 25 alunas são beneficiadas diretamente. Umas das premissas do Reinventar foi a de organizar um grupo diverso, com as duas nacionalidades, para que todas se sentissem integradas à realidade local. Considerando as famílias das participantes do programa, são 116 pessoas indiretamente beneficiadas, sendo que 70% não estão trabalhando. Das que trabalham, a maioria exerce atividades informais ou precárias. Uma parte recorre aos programas sociais, com o Bolsa Família ou o auxílio emergencial.

“Estas mulheres vivem em situação de vulnerabilidade. Sendo assim, contribuir para que elas possam conquistar um emprego, gerar renda e viver dignamente é uma forma de garantir uma nova perspectiva de vida para elas e para suas famílias. Ficamos entusiasmados em poder capacitá-las com uma formação relacionada à área de saneamento, que está em franca expansão no Brasil. Será uma ótima oportunidade para elas começarem uma nova vida.”, explica Carlos Almiro, head de sustentabilidade da BRK Ambiental.

Projeto Reinventar - O processo de seleção das participantes contou com avaliação econômica e social para garantir que as candidatas atendessem aos critérios de seleção do projeto. A ideia foi fazer uma análise das condições laborais e psicológica, criando estratégias de apoio para evitar a evasão. Todas as participantes também passaram por entrevistas individuais para avaliar aptidões mínimas, assim como se entendiam a profissão e, de fato, a desejavam para o futuro.

Como o projeto teve início durante a pandemia, algumas adequações metodológicas foram necessárias. A formação tem sido realizada de forma semipresencial: 80% em formação virtual (remota e EAD) e 20% com formação presencial, conforme protocolos definidos pelas organizações formadoras, seguindo as orientações sanitárias.

Cada participante recebe uma ajuda humanitária mensal de R$ 300,00, com bonificação de mais R$ 300,00 atrelada à frequência e ao desempenho, além de um tablet e internet para permitir o acesso ao curso. O percurso da formação foi remodelado para garantir a inserção das participantes ao mundo digital, de maneira a atender às necessidades atuais, especialmente pós pandemia.

“Participar deste projeto tem sido inspirador. Temos visto de perto a realidade de cada uma delas e suas dificuldades para conciliar casa, família e o curso, porém é gratificante perceber o empenho das alunas que acreditam de fato nesta chance de uma mudança real em suas histórias. As histórias e depoimentos que ouvimos nos fazem perceber o quanto é importante para elas esse projeto, uma oportunidade de reerguer-se, refazer a sua vida e começar uma nova história” comenta Juliana Ferreira, coordenadora de inserção do projeto.

Formação profissional integral - A formação das participantes combina dois processos simultâneos e articulados: formação básica e específica - soft skills e hard skills. As atividades são realizadas com base na metodologia desenvolvida pelo Instituto Aliança e pelo SENAI, com utilização de pedagogias ativas e interativas em ambiente virtual, estimulando o protagonismo e as atitudes empreendedoras a serem desenvolvidas no ambiente de trabalho.

Consideradas como um grande diferencial pelos empregadores, a formação nas soft skills e a implementação das ações são realizadas em parceria com o Instituto Aliança e pela Foxtime, englobando desde competências sócio-emocionais, com especial enfoque na resiliência, até legislação trabalhista, empreendedorismo e educação financeira. 

Questões relacionadas à empregabilidade, comportamento em entrevistas e elaboração de currículo também serão abordadas para que as alunas possam entrar no mercado de trabalho. Ao final do projeto, todas participarão de uma ação com a equipe de Recursos Humanos da BRK Ambiental.

O curso tem duração de quatro meses com término previsto para novembro. Durante este período, serão 240 horas de formação e 60 horas de mentoria. As participantes que alcançarem os critérios de participação e aprendizagem serão duplamente certificadas: pela UECE e pelo SENAI.



Nenhum comentário:

Postar um comentário