Sabores da Tia Val

Sabores da Tia Val
Encomendas pelo Direct do lnstagram

WTF? Translate here!

domingo, dezembro 20, 2020

#VcNoBlog Sobre se permitir crescer

 

Se você pudesse listar quais ensinamentos dar aos seus filhos, quais escolheria?

Acredito que os melhores... Não é? Mas, muitas vezes, esses “bons ensinamentos” surgem de situações difíceis que não estavam planejadas ou, simplesmente, que você não escolheria ver seus filhos passando.

Fui uma “filha no câncer”. Aos 15 anos, assisti minha mãe ser diagnosticada com câncer de mama. Sei que enfrentar essa doença e todas as dores que ela provoca não é algo premeditado por uma mãe.

Até pouco tempo atrás, eu apenas imaginava a dor vivenciada por minha mãe, aos 38 anos, com três filhos (16, 15 e 12 anos). Três filhos do câncer.

Uma mãe sempre quer proteger seus filhos de todo e qualquer mal. Não quer vê-los sofrer. Foi difícil demais ouvir o diagnóstico dela. E eu só podia imaginar a dor dela ao contar de sua doença. Lembro (como se fosse hoje) de meu irmão perguntando assim para ela: “Mãe, tu vai morrer?”. Ela, cheia de força (que não compreendia de onde vinha), respondeu: “Não, meu filho. Vou ficar curada para terminar de criar vocês”. Será que uma mãe tem noção do que é ser filho do câncer? Da importância que esse capítulo tem no livro-vida de um filho? Fui uma filha no câncer. Enquanto minhas amigas colecionavam fotos e ouviam seus ídolos (Madonna, Guns n’Roses, Legião Urbana, etc.), eu ouvi o choro de minha mãe... Era medo, tristeza, angústia, dor... Tudo isso naquele choro. E eu chorei também. Não apenas uma vez. Chorei várias. Chorei em meu quarto, na companhia de minha irmã, no escuro. De medo de perder a mãe. Choro compartilhado por filhos do câncer.

Trinta e um anos depois, sou uma mãe com câncer. Aliás, hoje, 20 de dezembro de 2020, não mais. Meus seios foram de mim tirados numa longa cirurgia. Há dez dias, acordei da anestesia, ainda na sala de cirurgia, agradecendo estar viva para voltar pra casa e, assim, terminar de criar minhas filhas (11 e 9 anos). Minhas Anas. Esse foi meu maior desejo após o diagnóstico do câncer de mama. Acredito que deva ser um sentimento comum em mulheres-mães diagnosticadas com câncer. É a tendência natural: pensar nas crias. Alguns médicos presentes ainda na sala de cirurgia naquela quarta-feira, após o procedimento de pouco mais de 6h acabar me ouviram agradecer ao acordar. O agradecimento pelo (RE)nascimento. Renasci e vou concluir a criação de minhas filhas...

Ser mãe é assim. Não é? Pensar no filho e desejar o melhor para ele: que seja feliz, que não sofra, que tenha saúde, etc e tal... Ser mãe é tentar ofertar o melhor para o filho em todos os sentidos. Quantas abdicações fazemos por eles, não é mesmo? Tudo pelo seu bem-estar físico e emocional.

Ao ser diagnosticada com câncer de mama pensei em seguida: como vou contar para minhas filhas? Pedi que Deus me iluminasse no momento da revelação. Fiquei temerosa em causar-lhes sofrimento. Compreendi a dor de minha mãe, em 1989. Era outro século, mas a angústia de uma mãe não muda.

Escolhi ser verdadeira, relatando de maneira positiva (que me é peculiar) o que estava acontecendo: “Os peitinhos de mamãe estão doentes e os médicos precisarão tirá-los de mim”. Elas choraram. Eu chorei. Choramos juntas. Foi uma noite de muita emoção. Ao optar por contar a verdade, a mãe com câncer escolhe ensinar RESILIÊNCIA a seu(s) filho(s): “Mãe, você vai ficar boa se retirar eles? Você vai voltar pra casa depois do hospital?”. Em 2020, eram outros filhos do câncer, mas as dúvidas eram as mesmas. O medo de perder a mãe também: “Sim, filha. Vou tirar e voltar pra casa curada para continuar criando vocês”.

Poupar um filho da dor sempre será a opção de uma mãe.

Mas a escolha já havia sido feita. A verdade foi dita. Aqueles filhos passariam por um (RE)nascimento. Alguns (RE)nascimentos são prematuros. Mas todos são necessários. Proporcionar amadurecimento aos filhos é algo que toda mãe deseja. Mas desejamos amadurecimento sem dor. Mas o que fazer se é, justamente, na dor que a gente mais cresce?

No dia 09 de dezembro de 2020, saí de casa para a mastectomia dizendo para não se preocuparem: “Mamãe volta amanhã e retomaremos nossa rotina”. Ledo engano. Há coisas que não podemos prometer. No dia posterior, não era a mesma mulher que retornava para casa. Eu havia renascido. Uma nova mãe voltava ao lar. Não há como negar: é impossível continuar a mesma após uma mastectomia. Não falo apenas das mudanças físicas e posturais do corpo. Falo da mente. A mastectomia e o retorno ao lar me trouxeram também novas filhas. Passaram a ser cuidadoras, enfermeiras, apoio... mas ainda crianças.

O pós-operatório de uma mastectomia é doloroso. Algumas dores cortam a alma. É preciso paciência. Com tudo. Principalmente com seu corpo. Ele precisa de tempo para acomodar-se. Vinha me comportando bem. Nenhuma reclamação. Seguia sentindo muitas dores, mas calada. Dez dias após a cirurgia, dei o primeiro tropeço: chorei de dor na frente delas. Não é o que uma mãe sonha, mas aconteceu! A dor era intensa e eu solucei. Em meio aos meus soluços percebi que não eram as mesmas filhas “de antes do câncer”. Elas também estavam (RE)nascendo. Os olhares daquelas crianças em meus olhos que teimavam garantir a exposição de um dilúvio eram de outras filhas. Como um filme, que passa em rotação acelerada, lembrei de meu maior aprendizado enquanto filha do câncer: resiliência.

Vocábulo novo na vida daquelas meninas, mas que explicava bem todo o momento. Palavra que vem do latim “RESILIRE”, que significa “voltar atrás”. Os filhos do câncer adquirem a capacidade de lidar com seus próprios problemas, de sobreviver e superar momentos difíceis diante das situações adversas.

Vários estudos científicos já revelaram que é necessário vivenciar a desordem, o caos, para sobreviver e crescer. Eu achei que estivesse roubando a infância delas e, erroneamente, vinha escolhendo poupá-las de me verem chorar.

Hoje, uma grande amiga que me conheceu enquanto fui filha do câncer me disse: “Suas filhas vão ver e sentir no seu exemplo que podem se permitir dobrar ao vento sem que isso as quebre”. Isso aconteceu comigo. Eu tinha 15 anos. Mas poderia ter menos. Ou pouco mais. Vivenciar a dor de ter uma mãe com câncer. Ela não escolheu isso pra mim. A vida escolheu. E eu vivi.

Mãe é um ser que se sente culpado por natureza... Mas escrevo agora para mães com câncer. Aquelas que tiveram o diagnóstico dessa doença tão dura: Permitam aos seus filhos a oportunidade de crescerem resilientes. A dor que eles vivenciarão, embora muitas vezes dilacerante, é passageira. Mas o ensinamento que essa dor proporcionará será para toda a vida. Então, mãe, permita-se chorar, soluçar, promover dilúvios, sofrer... Viva a dor de ser mãe com câncer e (RE)nascer com todo esse aprendizado. E você, filho do câncer, permita-se a oportunidade de transformar-se num adulto resiliente.

E, em todo esse processo DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO MÚTUO, não se esqueçam de AGRADECER!

 

Thyana Galvão é professora da UFPE e arquiteta 

Nenhum comentário:

Postar um comentário