sábado, 13 de outubro de 2018

Chelsea quer levar torcedores racistas para visitar Auschwitz

O clube britânico de futebol Chelsea anunciou nesta quinta-feira (11/10) que pretende incentivar torcedores a participar de cursos de educação sobre o Holocausto no campo de extermínio nazista de Auschwitz, localizado na Polônia.

O presidente do Chelsea, Bruce Bruck, afirmou que a iniciativa visa acabar com as atitudes racistas em torno do clube e destacou a busca para solucionar o problema em vez de apenas impor proibições.

"Banindo pessoas não é possível mudar seu comportamento. Essa nova política lhes dá a oportunidade de perceber o que fizeram, para que mudem seu comportamento", afirmou Buck ao tabloide britânico The Sun.

Segundo o jornal, o proprietário do Chelsea, o russo Roman Abramovich, que é judeu, é quem está liderando a iniciativa.

Em setembro do ano passado, o clube criticou e baniu diversos torcedores que entoaram canções antissemitas durante uma partida contra o Tottenham Hotspur, time que possuiu historicamente uma grande base de apoio entre a comunidade judaica.

O Chelsea pretende suspender a expulsão de torcedores que concordarem em participar da iniciativa. "No passado, nós os proibimos de ir ao estádio por três anos. Agora estamos dando uma opção: podemos bani-los ou podem passar um tempo com nossos funcionários da diversidade para entender o que fizeram", acrescenta Buck.

Em setembro, o Chelsea e o Congresso Judaico Mundial (WJC) lançaram uma iniciativa para combater o racismo no esporte. Uma cúpula internacional está planejada para o próximo ano em Paris, com o objetivo de iniciar um diálogo global no combate à discriminação, ao racismo, ao antissemitismo e a todas as formas de ódio no esporte.

Deutsche Welle (Alemanha)

Nenhum comentário:

Postar um comentário