domingo, 23 de agosto de 2020

"Presidente, por que sua esposa recebeu R$ 89 mil de Fabrício Queiroz?"

Essa está sendo a frase que está bombando nas redes sociais neste momento - noite de domingo, 23 de agosto - justamente pela pergunta que um repórter do Jornal O Globo fez ao presidente Bolsonaro. 

A resposta foi a seguinte: " minha vontade é encher sua boca de porrada! Seu safado!". Indagado por outros jornalistas o porquê de ameaçar o repórter, o político nada respondeu e se retirou do local. O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) deve denunciar o caso à Organização dos Estados Americanos (OEA).

O artigo 147 do Código Penal é claro ao afirmar que ameaça é crime, e nos últimos tempos, repórteres empenhados em informar sobre a Covid-19 e suas vítimas no Brasil são constantemente agredidos, principalmente em links ao vivo. E a ONG internacional Repórteres Sem Fronteiras relata que, de 180 países listados, o Brasil é o 107º colocado em liberdade de imprensa

O Brasil oficialmente não tem mais censura prévia desde a década de 1980, quando o então ministro da Justiça, o pernambucano Fernando Lyra (1938-2013) decretou o fim da censura no País. No entanto, a "pós-verdade" chegou com tudo e isso aumenta - e muito - a responsabilidade do Jornalismo e o cuidado com as informações. 

E principalmente, que não tenhamos medo de perguntar: "Presidente, por que sua esposa recebeu R$ 89 mil de Fabrício Queiroz?" e nem se intimidar se nos ameaçarem em encher nossa boca de socos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário