06/04/2019

PM que empurrou jovem com a arma em escola estadual em Guarulhos é afastado



O policial militar que empurrou a estudante com uma arma numa escola estadual em Guarulhos, na Grande São Paulo, na noite desta quinta-feira (5) foi afastado nesta sexta-feira (6), de acordo com informações da Ouvidoria da PM.

Após a publicação desta reportagem, o Palácio dos Bandeirantes enviou nota informando que o governador João Doria decidiu, após assistir as imagens da ocorrência na Escola Estadual Professor Frederico Brotero, determinar ao Comando da Polícia Militar que afaste imediatamente do serviço operacional o policial que empurra uma das manifestantes com uma arma. A Corregedoria da PM está acompanhando o caso e a Secretaria da Educação colabora com as investigações.

As imagens que viralizaram nas redes sociais foram gravadas durante um protesto de estudantes na Escola Estadual Frederico Brotero, no Centro da cidade. No meio da confusão, um policial militar empurra uma jovem com a arma.

A Ouvidoria da Polícia Militar de SP recebeu as imagens ainda na noite desta quinta e na manhã desta sexta instaurou procedimento para acompanhar as investigações para apurar o procedimento do grupo de policiais militares.

O procedimento da Ouvidoria vai investigar se houve abuso de autoridade e ação abusiva.

Pelo menos cinco policiais aparecem nas imagens. No Boletim de Ocorrência, os policiais dizem que foram chamados pelo diretor do colégio, que estaria sendo ameaçado pelos alunos, que eles contiveram o tumulto usando força moderada e as armas só tinham balas de borracha.

A Ouvidoria informou que também está investigando a conduta dos outros policiais. Para o órgão o grupo de militares não seguiu o protocolo devido. “Todos os policiais do grupo contribuíram com a ação excessiva e abusiva”, disse Benedito Mariano, ouvidor da Polícia do Estado de São Paulo

A Secretaria da Segurança Pública informou que instaurou uma investigação pra analisar a conduta dos PMs envolvidos

De acordo com alunos que não quiseram se identificar, o atual diretor da escola tem sido “linha dura”. "Então a gente pegou, entrou no Whatsapp, fez um grupo pra fazer manifestação, né, pra ver se a gente consegue tirar o diretor porque conversar com ele não adianta porque ele não ouve, ele é grosseiro”, explicou um dos estudantes.

O advogado de um dos alunos que foi apreendido pela polícia defende que houve intransigência não ação. “Eu acho que faltou diálogo. Meu cliente é estudante, faz estágio, ele tem 16 anos. Ele tem um contrato com o CIEE, inclusive assinado pela escola. É um rapaz gente boa, nunca teve passagem pela polícia. Durante a madrugada eu argumentei na delegacia que ele, por ser réu primário, por ter emprego, estudar, a mãe estar presente (na delegacia), endereço fixo, ele deveria responder em liberdade”, disse o advogado Luiz Antônio Cabral.

Dois menores continuam no 1° DP de Guarulhos. De acordo com o delegado de plantão, Cid Rodrigues da Silva, eles serão levados agora à tarde para audiência na Vara de Infância e Juventude e serão ouvidos por um promotor.

Portal G1